Um pedido inesperado em no meio da Oktoberfest levou Joaquim e Luciana para o altar. O sonho da noiva de casar no Outeiro da Glória se realizou e a festa foi no MAM, um local maravilhoso e próximo da igreja da cerimônia. A noiva se preocupou com cada detalhe do seu casamento clássico e, para isso, contou com a ajuda dos melhores profissionais.

Luciana é uma noiva decidida e sabia exatamente como queria seu vestido e quais eram as referências que mais a agradavam. Encontrou no Ateliê Gora, com a estilista Luiza Polli, o lugar onde todos os seus pedidos para o vestido foram atendidos: sem rendas, saia lisa, decote canoa, costas abertas e feito em cetim Dior italiano off White com o bordado em tons de pérola e champanhe. Deu pra imaginar como ficou incrível? 

Na matéria a noiva compartilhou com a gente tudo sobre o seu casamento clássico com Joaquim. Quer ler mais e se inspirar? Confira na matéria

 

Os Casamentos Reais publicados no CaseMe são escritos diretamente pelas noivas ou noivos. Nossa proposta é uma troca real de experiências, sejam boas ou ruins, que ajudem outras noivas que ainda estão no processo, com foco e inspiração!

 

Noivos: Luciana Laborne Rohr e Joaquim Pedro Rohr 

Local: Outeiro da Glória e MAM (RJ)

Data: 15/09/2018

 

 

◊ ANTES DO CASAMENTO

 

 

História do casal:

Nos conhecemos no trabalho, em 2013. O primeiro beijo foi no carro dele. Começamos a namorar no réveillon de 2015 para 2016, quando eu o pedi em namoro. Ele tinha pedido antes e acabamos terminando, então era minha vez. Passamos por algumas idas e vindas no meio do caminho, muitas por eu já sentir que ele era O cara e ter medo de embarcar nessa antes de achar que estava com a vida resolvida profissionalmente, achando que isso era determinante para o sucesso de uma relação. Ele foi me mostrando o quanto minha percepção de amor era limitada e que não tinha jeito, a gente foi mesmo feito pra ficar junto.

 

O pedido de casamento:

Em uma viagem para a Europa, no meio da Oktoberfest, no dia 03/10/2017. Não foi nada planejado, o anel que ganhei na hora foi de uma alemã que tinha ficado nossa amiga no dia e emprestou pro Joaquim quando ele disse que ia me pedir em casamento ali. Ela deixou que eu ficasse com o anel de recordação, foi muito fofa! Quando voltamos para o Rio, ele comprou um anel de noivado de verdade (solitário da Tiffanys) e fizemos um jantar de noivado reunindo as famílias. Além disso, convidamos a tal alemã para o casamento e ela veio!!

 

 

◊ O CASAMENTO

 

 

Os preparativos:

Marcamos a data no início de novembro de 2017. Foi quando conseguimos coincidir as datas dos dois lugares (o que foi bem difícil, pois ambos são muito concorridos e conseguimos por causa de uma desistência!). Nos preparativos, algumas coisas foram mais tranquilas, outras menos. Os valores exorbitantes que envolvem casamento, fazer a lista de convidados e a dúvida/insegurança que bate na contratação de fornecedores mais importantes foram as piores coisas. As melhores partes foram escolher o vestido de noiva e as degustações de doces e buffet, claro. Chorei de emoção quando botei um vestido com véu pela primeira vez, é um momento muito especial… Quem participava: noivos (Joaquim foi bem participativo) e minha mãe, na maior parte. Algumas vezes, meu pai, amigas próximas, tia, avó.. Contratamos cerimonial (Paula Rocha) por indicação e maior afinidade na entrevista, além de ter achado ela super detalhista e organizada. Achei essencial, não tenho muitas amigas que já casaram, então não tinha ideia de fornecedores e escolhemos basicamente todos os fornecedores por indicação do cerimonial. Além disso, no dia, é mais que essencial, elas organizaram tudo de forma impecável.

 

O vestido de noiva:

Fui conhecer algumas indicações da cerimonialista e acabei optando por mandar fazer no Ateliê Gora (estilista Luiza Polli), pois achei que foi quem entendeu melhor o que eu queria e tem um preço justo. Eu imaginava um vestido sem rendas, pois acabo achando todos iguais. Queria algo totalmente liso ou saia lisa e apenas bordado (sem ser na renda) na parte de cima. A manga eu já imaginava que não gostaria nem sem manga e nem com manga longa, então a Luiza sugeriu uma manga curtinha que achei muito chique e tudo a ver com a ideia do vestido. Também não queria 100% branco, fiz ele todo em cetim Dior italiano off White com o bordado em tons de pérola e champanhe. Sobre os decotes, queria canoa na frente, uma coisa meio Audrey Hepburn, e algo maior atrás pra não ficar tão fechado porque não seria minha cara e queria deixar minha tatuagem de rosa para fora (apesar de opiniões contrárias dos meus pais, que não são muito fãs). O véu era liso (nunca fui muito com a cara de mantilhas, não sei porquê.. me incomoda aquela renda perto do rosto) off White também. Prendi a cauda do vestido na hora da festa e funcionou perfeitamente.
Minha dica é que sigam o que sempre imaginaram e, caso não tenham imaginado nada, que escolham alguém com quem o seu santo bata e te inspire confiança. É algo delicado, que mexe muito com nosso emocional, então precisa ser uma escolha cuidadosa.

 

 

 

Acessórios:

A grinalda foi difícil, não achava nada que gostasse, pois ou era muito informal (tipo flores, que não gosto, ou tiaras muito fininhas, que eu achava meio casamento de dia) ou coroas elaboradas demais, o que também não faz meu estilo. Além disso, não queria o acabamento prateado, mas sim dourado/ouro velho para combinar melhor com o bordado do vestido. Fui até pra SP ver opções, que achei bonitas, mas também não eram como eu queria. Até que fui na Carmen Nazar, em Niterói, e me deparei com a maior variedade de grinaldas que já tinha visto, além de terem um acabamento sem igual. Ela me deixou super à vontade, sem frescuras para mexer nas peças, e fiquei lá 3h escolhendo porque tinha MUITA coisa linda e de bom gosto. Finalmente, então, encontrei minha tiara e o pente que coloquei para a festa, quando tirei o véu. Ambos com pérolas e acabamento mais puxado para o dourado. Os brincos aluguei com ela também, nesse mesmo estilo.
Quanto ao sapato, mandei fazer na Lidu, por ter achado muito confortável. Além disso, ao ver o vestido, ela me sugeriu botar um cacho de pérolas em cima que eu achei que teve tudo a ver e deu um toque especial.
Com relação ao buquê, fiz com a Ana Cavalcanti, por indicação do Eduardo Jonata e da Paula Rocha. Falei com ela bem em cima da hora pois tive dúvidas com relação ao buquê até o fim (não sabia se ousava ou não entrando com rosa colombiana vermelha, que eu amo, vide minha tatuagem, mas acabei optando por algo mais clássico para não tirar o foco de mim, haha, além do que eu já tinha deixado a tatuagem à mostra com o decote das costas). A Ana foi um amor, me mandou várias referências, teve toda a paciência e levou meu buquê pra mim no hotel! Pedi rosas grandes brancas/puxadas para off White, principalmente, e complementamos com lírios, kalanchoe, angélicas e denphales.

 

 

Roupa do noivo:

Ele fez no alfaiate de confiança dele uns dois meses antes do casamento. Ele quis me levar junto para que eu opinasse e acabou mandando fazer dois ternos porque a ideia inicial era grafite, mas ele amou uma amostra azul marinho que eu achei lá (e achei que ficaria lindo pois ele tem olhos azuis), aí encomendou dois. Como ele é advogado, não tem problema, o que ele não usou, usará para trabalhar. No fim das contas, ele usou o grafite com colete prata e gravata azul clara, achou “mais noivo”.

 

 

Making of

Ficamos três dias antes do casamento sem nos vermos. Achei ótimo, nem muito nem pouco.. fiquei com minha família e amigas e sozinha também, foram dias muito bons. Mas nos falávamos pelo celular todos os dias, até no próprio dia, inclusive porque tínhamos que resolver coisas práticas do casório, como botar ou não toldo lateral (a previsão era de tempestades para o dia todo do casamento, o que acabou não acontecendo), etc. Eu já dormi de véspera no hotel, o que achei maravilhoso porque já levei toda a tralha na sexta feira e sábado não tive que me preocupar com nada, tudo já estava lá. Isso me ajudou muito a ter uma noite tranquila de sono. No dia do casamento, quando acordei, ao invés de sair correndo pro hotel, dei um mergulho no mar ali em frente (fiquei no Hilton Copacabana) e fiquei relaxando na praia até a hora do making of começar. Joaquim passou o dia na nossa casa com alguns padrinhos.
Eu achei que ficaria muito nervosa, mas foram dias tão felizes em que eu estava tão perto de realizar um sonho que fiquei um pouco ansiosa, mas o que predominava era minha felicidade, e não o nervosismo. Chegou uma hora em que pensei “agora está tudo feito e encaminhado, não adianta se preocupar”. E tudo fluiu!

 

 
Cerimônia:

Eu sempre quis me casar no Outeiro da Glória, então não tinha muito o que pensar. Olhava praquela igrejinha lá em cima do morro desde pequena e pensava que, se um dia me casasse, seria ali. Ele não queria igreja inicialmente, queria algo ao ar livre, mas consegui convencê-lo depois de muita insistência. A parte mais emocionante da cerimônia foi a dos nossos votos. Era um momento todo nosso e, ali, abrimos nosso coração. Foi lindo demais poder falar pra ele, no nosso casamento, diante das pessoas que são importantes para nós, tudo que ele significa pra mim. E ouvir de volta, claro! Ficamos bem emocionados e tivemos que respirar fundo algumas vezes pra segurar a onda. Além disso, a minha entrada foi emocionante demais, claro. Ver a porta da igreja abrindo, de braços dados com meu pai, ao som da marcha nupcial, e olhar para o altar com o homem da minha vida me esperando para casar comigo todo emocionado… é uma sensação indescritível. A rajada de vento que bateu na hora da minha entrada me ajudou muito a não entrar aos prantos pois eu já estava quase começando a chorar quando bateu o maior vento que fez meu véu voar (sorte que estava bem preso), aquilo me distraiu e eu entrei sorrindo. Emocionada demais, é fato, mas consegui não chorar, o que foi quase um milagre para quem é uma manteiga derretida. Foi tudo perfeito

 

O celebrante foi o Frei Guilherme da Paróquia Santa Mônica. Foi indicação da cerimonialista também. Acertamos em cheio, ele foi demais! Joaquim se sentiu super à vontade nas reuniões com ele, que é uma pessoa incrível. Ele conduziu a cerimônia de forma natural, delicada, atento às nossas peculiaridades. E, ao longo de todos os meses antes do casamento, nos deu muita atenção e suporte. Todos elogiaram muito!

 

 

Música da cerimônia:

Contratamos orquestra, a Astorga, da Juliana Sucupira, que, inclusive, é uma pessoa maravilhosa e ótima profissional. As músicas foram mais clássicas, mas com algumas mais modernas, como a do noivo e a das crianças, pois fizemos questão de músicas específicas. Eu entrei com a marcha nupcial, não entraria com outra.

 

 

Padrinhos e madrinhas:

Foram 12 casais de amigos nossos, sendo 2 casais femininos, porque era muita amiga que eu queria chamar. Não colocamos familiares por considerarmos que estes já se destacam e são importantes para nós por serem da nossa família. Os padrinhos usaram terno preto e gravata prata dada por nós e as madrinhas, vestidos coloridos em cores fortes, a meu pedido. 

 

 

Damas e pajens:

Tivemos 1 dama, 2 pajens e 2 demoiselles. A dama foi a filha do Joaquim, minha entrada (Rafaela), que carregou as alianças; os pajens foram filhos de grandes amigos nossos (e nossos padrinhos), que são dois meninos lindos e queridos demais (Thomas e João) e as demoiselles foram minha irmã (Clara) e a sobrinha do Joaquim (Leticia), que têm quase a mesma idade (18/19 anos). As roupas de todos foram feitas pela Sylvinha Freire, sendo a roupa da dama e dos pajens aluguel (a da dama, 1º aluguel) e os vestidos das demoiselles, compra. O vestido da dama era off White com uma faixa dourada com pérolas na cintura e os vestidos das demoiselles era todo em dourado combinando com a faixa do vestido da dama (mesmo tecido). Os pajens entraram com calça azul marinho, suspensórios e gravatinha dourada, também do mesmo tecido dos vestidos das meninas.

 

 

Local da festa:

Achamos o MAM lindo (já conhecíamos), o buffet de lá é maravilhoso (Laguiole), além de ser próximo ao Outeiro. Também não queríamos um lugar muito clássico e totalmente fechado, afinal moramos no Rio de Janeiro! O MAM tem aquele jardim lindo, vista para o Pão de Açúcar e, ainda, para o próprio Outeiro. Foi melhor do que imaginávamos, superou nossas expectativas!

 

Decoração:

Nisso Joaquim não opinou muito, só concordou quando eu disse que não queria casar no Museu de Arte Moderna e fazer uma decoração super clássica, com lustres de cristal, etc. Achamos que isso não teria nada a ver nem com o local nem conosco. Então, apesar de ter sido um casamento clássico (à noite, na igreja…), a decoração da festa foi um pouco mais moderna. Não abri mão, é claro, de muitas flores e da mesa de doces e do bolo bem linda na entrada, mas tudo com uma pegada não tão clássica. As cores escolhidas foram azul marinho e amarelo, são minhas cores preferidas e combinam muito. Pedi para não ter muito verde também e aquele tipo de decoração floral com os arranjos tapando o teto todo e caindo, tipo aqueles casamentos que parece que você entra numa floresta, pois não gosto disso. Os detalhes pedi em cobre, quis fugir do prata e do dourado, também nessa ideia de ficar mais moderno. Além disso, quis muitas luzes, adoro! Botei a rampa toda com luzinhas e o chão da pista de dança também! Minha decoradora entendeu perfeitamente o que eu queria e executou um projeto incrível, cheio de ideias boas e muito bom gosto. Quando entrei na festa, fiquei chocada: estava simplesmente perfeito, melhor do que eu imaginava! Agora, futuras noivas, preparem-se: decoração é um gasto bem considerável! Principalmente se você sai do zero (tem que alugar mesas, cadeiras, tudo..). Foi o nosso maior gasto disparado.

 

 

Bolos e doces:

A escolha do bolo foi tranquila. Fomos a alguns (3, eu acho) fornecedores indicados pela cerimonialista e optamos pelo Casal Garcia, por acharmos a melhor relação custo-benefício. Os bolos deles são lindos, gostosos e o valor estava dentro do que separamos para isso. Encomendamos 130 fatias (250 convidados) com recheio de doce de leite, ovos e nozes. A escolha dos doces foi mais complexa. Fiz muitas provas e acabei me perdendo na comparação, chegou uma hora em que nem lembrava direito qual era determinado doce, enfim.. Indico que anotem dando notas e tirem fotos de cada doce que gostem (coisa que a cerimonialista recomendou, mas eu não fiz) para não se perderem. No fim das contas, tive vários fornecedores de doces (Olenka, Elvira Bona, Denise do Rego Macedo, Ana Foster e Fabiana d’Angelo), o que é positivo por um lado (muita variedade) e negativo por outro (paga vários fretes). Minha mesa de doces e bolo ficou linda! A boleira foi em cobre e as forminhas em marinho, dourado e cobre. Pedi muitos doces com Nutella (amo muito) e portugueses também. Foi bem equilibrado e variado. Hoje, talvez eu pedisse menos doces com frutas (saíram menos) e mais brownies da Olenka (eles voam!).

 

 

Buffet:

Ficamos muito satisfeitos com o Laguiole. Já sabíamos que era bom, mas estava demais! O chef estava no dia, inclusive, demos sorte. Tivemos duas estações de buffet e comida volante, achamos que jantar somente empratado deixaria as pessoas sentadas demais e dançando de menos. Eu e Joaquim comemos antes de entrar na festa os pratos que já tínhamos escolhido quando fomos fazer a degustação. O bar contratado foi o do próprio MAM e os espumantes fechamos com a Livimport. Teve de tudo menos vinho: whisky, espumante, chopp Jeffreys (contratamos uma estação de chopp deles – aliás, serviço incrível e o que sobrou de chopp pudemos acabar de beber quando voltamos da lua de mel), drinks com vodca (Absolut), gin (Amazzoni) e saquê, incluindo Moscow Mule e Aperol.

 

Música da festa:

A escolha do DJ foi muito rápida. Como comecei a organizar o casamento com relativamente pouco tempo (10 meses antes), tinha que ser rápida para contratar os fornecedores exclusivos (aqueles que só fazem 1 festa por noite, pois estão nela direto) e um deles é o DJ. Entrei em contato com algumas indicações e, dos que gostei mais, contratei o que me respondeu mais rápido, com mais simpatia e, ainda por cima, fez uma promoção de Black Friday, o Bruno de Vicq. Depois, contratamos uma atração, o Baile do Pedrinho, recomendado por uma das minhas madrinhas, que foi a um casamento em Búzios no qual eles tocaram e disse que eu ia amar, que era muito animado! Confiei porque ela conhece meu gosto, pesquisei sobre eles e contratei. Valeu muito a pena! Deu uma animada extra na festa, todos elogiaram demais! E eu andava pesquisando atrações e ficando chocada com exigências absolutamente inacreditáveis que algumas bandas fazem. O Baile do Pedrinho não teve frescura alguma e entregou um belo show.

 

Bom, além disso, tive a atração mais especial de todas, que foi o Joaquim, que, de surpresa, antes da banda começar, pegou o microfone e a guitarra (ele tem uma banda de rock) e cantou pra mim “All of me” (uma das nossas músicas) e “Wonderwall” (minha música preferida). Foi um momento sensacional! Não tem uma música específica da festa que tenha marcado mais, foram algumas, como “Marry you” (Bruno Mars) porque foi a música que entramos na festa, “Your Song” (Elton John), que foi a música da nossa primeira dança, “All of me” (John Legend), porque ele cantou e dava pra ouvir o coro de todos cantando junto, “Dog days are over”, porque foi a hora que pegaram a saia do vestido e levantaram pulando e cantando, foi muito animado e, ah, como não citar a “Dança da cordinha”, em que o Pedrinho esticou uma corda e botou a festa toda pra passar embaixo da cordinha. Foi demais isso!

 

Registros:

Contratamos os Ribas para foto e filme. Desde a entrevista inicial, adorei eles profissional e pessoalmente. Para mim, foi tranquilo fotografar durante o making of, pois estava com a minha família, então queria mais era registrar tudo mesmo. E a Larissa e o Jorge foram ótimos! Joaquim não quis, só consegui convencer a fazer filmagem por muito pouco tempo. Não contratamos fotocabine, achamos que seria um gasto extra desnecessário e que não fazíamos questão. A hashtag do casamento foi #lucianaejoaquim.

 

 

Convidados:

A festa foi para 250 convidados. Chamamos 340 pessoas e foram 260 pessoas, dentro do percentual de abstenção que a cerimonialista havia nos passado. Fizemos RSVP ativo, que começou mais perto do casamento, já com base no passivo (feito pelo site pelos próprios convidados), ou seja, quem já tinha confirmado pelo site não recebeu ligação. A dica que eu daria é: façam uma lista com todos os nomes de pessoas que você gostaria que estivessem presentes no dia, sem se preocupar com quantidade, todas mesmo (isso também ajuda a não esquecer ninguém). Depois, se ultrapassar o tamanho da sua festa, comece a cortar: nesse processo, você vai ver quem é mais fácil e quem é mais difícil de tirar e, assim, a lista vai ficando pronta. No meu caso, comecei a ver que eu tive dificuldade em tirar pessoas que, apesar de não encontrar há tempos, foram muito importantes na minha vida, enquanto tive facilidade em cortar pessoas que vejo mais, mas não são tão próximas. Acho que é um dia muito especial, um marco mesmo, e as pessoas que te querem bem e participaram da sua vida de verdade ficam muito honradas e felizes por estarem lá, além de nós, noivos, ficarmos muito realizados de ver cada rostinho ali vibrando por nós. Além disso, tentem (é muito difícil!) não se estressar com familiares pedindo para chamar pessoas que você nunca viu na vida e com pessoas que recebem convite escrito “Sr. e Sra.” (no qual você chama só o casal) e a pessoa age como se tivesse recebido “Fulano e família”, pedindo para incluir filhos, etc. Ah, e se alguém que você gosta muito não puder ir, podem ter CERTEZA que outras presenças inesperadas compensarão isso!

 

 

Ferramentas:

Usei o Pinterest para separar ideias para o casamento e nosso site foi feito pelo iCasei.

 

◊ APÓS O CASAMENTO

 

 

Lua-de-mel:

Fomos para a Polinésia Francesa (Papeete, Moorea, Tahaa e Bora Bora). Claro que recomendaria, é simplesmente o paraíso! É caro demais, mas vale muito a pena.

 

Dicas importantes sobre a organização pós casamento + lua-de mel + novo apartamento:

Já morávamos juntos desde julho de 2017, então não tínhamos essa questão. Fizemos obra no apartamento no início de 2018, então ele já estava pronto. Só aproveitamos o tempo fora em lua de mel para trocar o piso, que é mais chato fazer quando tem gente morando. Tem que lembrar de mandar resgatar os valores dos presentes dados no site (MUITAS pessoas só compram após o casamento) e de pagar extras da festa (bebida, buffet, etc). Também mandei lavar meu vestido de noiva e botar na preservation box na Lavecia.

 

Presentes:

Botamos cotas de lua de mel no site, vulgo dinheiro disfarçado. Para nós, era o mais importante pois já tínhamos a casa montada, enxoval pronto e complementado com o que ganhamos no chá bar, então o melhor para nós era receber dinheiro para a lua de mel e para os gastos do casório. Alguns não gostam/não sabem comprar essas cotas, então recebemos alguns presentes físicos. Agradecemos a todos os presentes através do próprio site. A experiência foi boa, fazer o site é bem prático, os resgates funcionaram bem (fizemos 1 antes e 1 depois da lua de mel).

 

Ficha técnica:

Cerimonial: Paula Rocha Eventos 

Convites: Atelier Allure

Beleza: Eduardo Jonata 

Vestido/Véu: Atelie Gora

Grinalda: Carmen Nazar Noivas

Terno: Marcos Roberto Alfaiataria

Damas: Sylvinha Freire Atelier

Orquestra: Juliana Sucupira

Flores/Luz: Flora Real Grandeza

Bouquet/Lapelas: Ana Cavalcanti Buque Design

Segurança: JLF Parking

Igreja: Outeiro da Glória

Foto/Video: Jorge e Larissa Ribas – Ribas Foto e Video

Recepção/Buffet/Bar: MAM e Laguiole Lab 

Decoração: Cris Magalhães 

Iluminação: Two Lights

DJ: Bruno de Vicq

Atração: Baile do Pedrinho

Dança dos noivos: Coreografias na Pista

Bebidas: Livimport

Chopp: Jeffrey 

Doces: Denise do Rego Macedo; Fabiana d’Angelo; Ana Foster

Bem Casados: Elvira Bona

Brownies: Olenka Brownies

Bolo: Casal Garcia Bolos

Carro Noiva: Guiando Sonhos

Núpcias: Hilton Copacabana

Seguranca/Manobra: JLF Parking

Limpeza: Godoy

Gerador: Noalge

Sandalias: Pé de Noiva

Parceiro da decoração:

Eliana Lipiani VelasAmbiente Eventos; Araujo Verde Plantas; Emporio Santa Rosa; Airton Andrade; Santeh Mesa Posta; Arrumando A Mesa; Arte em Forminhas; Ruth Dourado Decorações; Belle TableEmporio Spiro.

 

NEWSLETTER-POST-3-3-750x125

Leia mais:

6 dicas imperdíveis de noivas reais para escolher o vestido de noiva perfeito

Vestido de noiva – tudo o que você precisa saber

Decoração do casamento: Tudo que você precisa saber

 

Deixar um comentário