Camila sempre quis casar na serra e, quando estava prestes a fechar um local em Búzios, se deparou com a Fazenda Santo Antônio, na serra do Rio de Janeiro. A escolha saiu melhor que a encomenda: o casamento na fazenda de Camila e Diogo foi em julho, logo quando as árvores cerejeiras do quintal  estavam floridas. Vocês precisam ver o efeito que a presença das cerejeiras criou nas fotos da cerimônia, feitas pelo Rodrigo Sack!

A decoração ficou por conta da Taís Puntel, escolha da noiva desde antes do pedido. A noiva sempre acompanhou o trabalho da decoradora e queria que seu casamento tivesse as cores e toques especiais da Taís. Dito e feito: muitas flores, mobiliário e objetos decorativos coloridos ornamentaram o local. A decoração fez o contraste perfeito com o estilo clássico e centenário da Fazenda Santo Antônio.

A noiva Camila compartilhou todo o encanto do seu casamento e sua história com Diogo com a gente. Confira!

 

Os Casamentos Reais publicados no CaseMe são escritos diretamente pelas noivas ou noivos. Nossa proposta é uma troca real de experiências, sejam boas ou ruins, que ajudem outras noivas que ainda estão no processo, com foco e inspiração!

 

Noivos: 

Camila Petterle e Diogo Gitahy. Após o casamento nós dois adotamos Petterle Gitahy como sobrenome.

Local: 

Cerimônia e festa no mesmo local. Fazenda Santo Antônio, Itaipava – RJ.

Data: 

Casamento no civil e religioso dia 08/07/18 apenas com familiares mais próximos, e no dia 28/07/18 fizemos a festa para amigos e nesse dia a cerimônia foi realizada pelo Paulinho, meu irmão e Bianca, irmã do Diogo.

 

◊ ANTES DO CASAMENTO

 

 

História do casal:

 

Nos conhecemos em meados de 2006, através de amigos em comum. Meus amigos de colégio fizeram faculdade com o Diogo, então nos encontrávamos em alguns eventos.

A primeira vez que nos vimos foi no aniversário de um amigo nesse mesmo ano. O Diogo lembra bem desse dia e diz que desde então teve interesse, mas eu namorava na época então nada foi adiante.

Em 2008 o Diogo foi morar na França, então só fomos nos reencontrar em 2013. E nos reencontramos no meio de um bloco do carnaval de Salvador. Mas nada passou de um abraço e a surpresa do reencontro inusitado. E ai, alguns dias depois, nos encontramos no aniversário de uma amiga, nos adicionamos no instagram, facebook, curtida pra cá curtida para lá, e em setembro finalmente ficamos pela primeira vez no aniversário de outra amiga. Nessa altura, já todo mundo já esperava que a gente ficasse e recebemos muitos incentivos dos nossos amigos.

Nessa época o Diogo já morava em São Paulo, então só nos víamos nos finais de semana. Apesar da distância, foi bem intenso, a gente se falava o dia inteiro, viajamos juntos, eu visitei ele em SP…Mas ambos tinham o carnaval de Salvador comprado…Tudo pago, blocos, camarotes, casa fechada com as amigas/amigos…E aquela pergunta, “O que fazer agora?”. Então oficializamos o namoro 1 semana antes do carnaval, fomos juntos e foi maravilhoso!

A história que estamos construindo juntos se resume em muita parceria, transparência, conversa, amigos e família sempre presentes, viagens, gastronomia, e principalmente, amor, paixão e admiração.

 

 
O pedido de casamento:

 

Eu e o Diogo amamos gastronomia, e uma vez tínhamos combinado de que quando algo especial acontecesse na nossa vida, iríamos jantar no restaurante D.O.M em São Paulo, onde o Diogo morava desde o início do namoro. Então em Junho de 2017, eu fiz uma entrevista em São Paulo e passei para uma vaga que queria muito. Então me mudei para lá e fomos morar juntos. E para comemorar marcamos de ir no D.O.M. Quando estávamos  saindo de casa, atrasados para o jantar, o Diogo me chamou no quarto pois nao estava achando a carteira. Quando abri a porta ele estava ajoelhado, com flores e uma caixinha na mão! Foi lindo, surpreendente, na nossa casa, a nossa cara! E com direito a fotos que ele tirou com GoPro. E comemoração no DOM ficou ainda mais especial.

 

◊ O CASAMENTO

 

 

Os preparativos:

 

A gente ficou noivo em Agosto, mas só começamos a ver o casamento em Setembro/Outubro. A gente já sabia o DJ que queríamos (Guga Weigert) e o fotógrafo (Rodrigo Sack), então a primeira coisa que fizemos foi ver as datas em comum que eles tinham. Fechada a data, começamos a ver as outras coisas. A escolha dos profissionais não foi difícil, além de DJ e fotógrafo, eu já tinha meus preferidos para outros itens, como decoração, sempre amei o trabalho da Tais Puntel, Identidade Visual que acompanho faz tempo a Tatiana e amo as coisas que ela faz, maquiagem, etc…Então era mais ver se as propostas estavam dentro do que a gente queria. É claro que para algumas coisas não fazíamos idéia, e para isso contamos com ajuda do cerimonial com indicações.

O mais difícil foi o lugar. Quando ficamos noivos, fomos focados em visitar lugares na serra. Alguns hotéis que eu adoro por lá, estão com restrição de som depois de um certo horário. Foi então que descobri algumas fazendas que eu não conhecia, e que estão começando a fazer casamentos. Vimos várias opções de Fazendas lindas, mas ficamos com medo de toda a estrutura que precisava ser montada e tudo mais. Resolvemos ir para Búzios ver alguns lugares. Chegamos a ir pra Búzios duas vezes. Na última, fomos para fechar o contrato com o local, mas como ainda estávamos vendo algumas questões não fechamos… e na volta pro Rio eu falei com o Diogo e com a minha mãe “Será que a gente viu tudo que a serra tinha para oferecer?!”. Foi então que minha mãe foi durante a semana para itaipava e se encantou com a Fazenda Santo Antônio. Eu e Diogo voltamos na fazenda dia 23/12, vésperas do Natal para uma nova visita….E ai simplesmente vi que era ali que eu queria casar. Fechamos o contrato em fevereiro!! E tenho certeza que foi o melhor lugar que poderíamos ter escolhido! Amei casar lá!

 

O vestido de noiva:

 

A escolha do vestido até que me surpreendeu. Eu não gosto muito de vestido de noiva, não sou muito de renda e tudo mais. Não sabia explicar o que eu gostava nem o que eu não gostava… Só vendo foto eu sabia dizer que sim ou que não.

Então vi no instagram um vestido da Martu que eu gostava do estilo, da renda e combinei de ir lá provar. Quando provei, além de ter adorado a renda, o modelo era exatamente como eu gostava e que acho que fica bom em mim… Partimos desse modelo e renda para fazer o meu.

Sobre o véu, nunca me imaginei casamento de véu…Não sei explicar porque…Falei para minha mãe “Acho que fica muito noiva, parece que estou fantasiada“, e ela respondeu “Mas você é a noiva, e vai ser a única vez na sua vida que você vai usar véu”. E ela me fez provar o vestido com véu. Realmente, eu achei que combinou, compôs com o vestido e eu fiquei com mais cara de noiva! hahaha.

A grinalda, eu imaginava uma flor única e grande, mas quando vi as pérolas eu amei! Achei diferente, moderno e clássico ao mesmo tempo!

 

Acessórios:

 

Eu tenho uma sandália que uso em todas os casamentos que eu vou, mega confortável e quando estou com ela, não desço do salto. Então mandei forrar ela. Fiz as provas de vestido com ela e tudo mais, até que minha mãe me contou que na verdade o fornecedor (LIDU)  tinha feito uma nova, igualzinha, pra mim, para eu não perder minha sandália antiga. Ficou perfeita e ainda mais confortável que a minha.

De acessórios e grinalda eu não tinha nada especial. Usei um brinco da minha mãe que eu amo, e escolhi a grinalda como já comentei acima.

O buquê foi feito pela decoradora (Tais Puntel), além de saber que ela tinha entendido meu gosto, mandei 3 referências para ela se basear.

 

 

Roupa do noivo:

 

O Diogo queria um terno azul, mas um pouco mais claro, um tom diferente. Ele viu algumas opções sozinho e depois me levou para ver o que ele tinha preferido, e ai compramos.

 

Making of

 

Como o casamento foi na serra, subimos na quinta feira, e na sexta fizemos uma pizza para os mais próximos. De sexta para sábado decidimos não dormir juntos, sem muito motivo, mas só para dar um frio na barriga, gerar um suspense em “a gente se vê no altar”. Mas sabádo de manhã esquecemos desse combinado e tomamos café da manhã juntos, trocamos presentes, e tudo mais… Não funcionou o plano. O resto da manhã foi super tranquilo, eu achei que iria estar nervosa, mas não fiquei, me arrumei no quarto do hotel, janelão aberto, cada hora uma amiga passava, entrava no meu quarto, e depois vinha outra, veio meu pai também, assisti meu sobrinho brincar no gramado…foi super gostoso. E o Diogo foi para outro hotel, onde estavam hospedados os padrinhos, e ficou na piscina bebendo! Acho que também não estava nervoso! E acabou que não nos falamos, cada um curtiu seu momento!

 

 
Cerimônia:

 

Queria que cerimônia e festa fossem no mesmo local, e na fazenda tinha um local super especial e intimista para a cerimônia acontecer, então essa parte foi facil.

Os celebrantes foram nossos irmãos. Paulinho, meu irmão e Bianca, irmã do Diogo. Acho que essa escolha fez nosso casamento ser único e mais especial e emocionante.

E também fizemos votos um para o outro. E acho que foi uma surpresa para todo mundo, quando no meio dos meus votos, eu respondi pro meu pai uma pergunta que ele sempre me faz. A pergunta é  “Cah, o Diogo é bonzinho com você?”.

 

Música da cerimônia:

 

Contratamos orquestra. Escolhemos músicas mais modernas pois combina mais com a gente e com o casamento que fizemos.

 

Padrinhos e madrinhas:

 

Foram 15 madrinhas e 13 padrinhos, fizemos 11 casais e 2 trios. As madrinhas podiam ir como quisessem, pedi para irem com uma flor no cabelo para ficar ainda mais lindo e colorido! Padrinhos pedimos terno azul e sapato marrom. Demos de presente a gravata, que escolhemos a cor azul.

 

Damas e pajens:

 

Eram 7, sendo 3 meninas e 4 meninos. Além do meu sobrinho, convidamos filhos de amigos também, e todos entraram! Foi uma bela surpresa! As roupinhas das damas mandamos fazer e compramos as dos pajens.

 

 

Local da festa:

 

comentei acima um pouco. O lugar foi o mais complicado. Sempre curti os casamentos e a energia da serra. Quando fechamos a data, vi também que era uma época de pouca chance de chuva na serra, então visitamos vários lugares, adorei vários, mas envolvia uma estrutura e logística cara…Além disso, eu já estava morando em São Paulo, então achava complicado ver tudo a distância, ainda mais por ser um local novo para casamentos. Resolvemos ir para Búzios ver alguns lugares que sempre tem casamentos. Chegamos a ir pra Búzios duas vezes. Na última, fomos para fechar o contrato com o local, mas como ainda estávamos vendo algumas questões não fechamos… e na volta pro Rio eu falei com o Diogo e com a minha mãe “Será que a gente viu tudo que a serra tinha para oferecer?!”.

 

Foi então que minha mãe, que não tinha ido na primeira visita à serra com a gente, foi durante a semana para itaipava e se encantou com a Fazenda Santo Antônio. Eu e Diogo voltamos na fazenda dia 23/12, vésperas do Natal para uma nova visita….E ai simplesmente vi que era ali que eu queria casar. Fechamos o contrato só em fevereiro!

E foi melhor do que imaginávamos. Quando fechamos o contrato, fiquei sabendo que tinham cerejeiras no local, que eles florescem em meados de Julho, mas duram pouco tempo. E pensei “Nossa, seria muita sorte”. E todas as vezes que visitei a fazenda, estava um dia lindo de sol, então eu esperava o sol no casamento também, já as cerejeiras, seriam convidadas mais que especiais, mas sabia que não era fácil. Uma semana antes do casamento a Rosani (Buffet) visitou a fazenda e me mandou fotos das cerejeiras começando a florescer e disse “Elas estão florescendo, como estava no contrato”. Eu estava muito segura com os profissionais que contratei, que a decoração ia estar linda, do jeitinho que eu escolhi junto com a Tais com tanto carinho, que tudo ia funcionar, que as fotos e vídeo iam ficar lindos, que a comida ia estar maravilhosa e que o Guga ia fazer pista explodir. Mas contar com a ajuda da natureza, foi especial, surpreendente e me emocionou.

 

Decoração:

 

Eu sempre amei o trabalho da Tais Puntel, decoradora de São Paulo. E o Diogo sempre soube porque eu seguia o trabalho dela fazia tempo. Quando ficamos noivos, achei que seria complicado fazer a decoração com ela, já que o casamento era no Rio. O Diogo me incentivou a marcar uma reunião para ver se realmente não dava. Para minha feliz surpresa deu tudo certo! Mandei muitas referências dos casamentos que ela já tinha feito para ela entender meu gosto e me conhecer melhor. Quando ela me apresentou o projeto, já amei!!! Ainda fizemos muitos ajustes depois, cada hora era uma nova idéia…fizemos reuniões de mais de 5h! Foi muito gostoso e ficou um espetáculo!!! Eu não mudaria NADA.

 

 

 

Bolos e doces:

 

A escolha do bolo foi fácil. A avó do Diogo fez aniversário e o bolo era simplesmente maravilhoso, então quando ficamos noivos a gente escolheu o mesmo bolo (Bolo da Chris). E os docinhos, fizemos algumas degustações, mas que foi complicado porque não fizemos uma próxima da outra, então quando íamos comparar a gente já não sabia o qual era melhor…Decidimos ir pelo mais seguro, que a gente já conhecia e não tinha erro. Escolhemos alguns doces mais diferentes com outros fornecedores. A gente seguiu orientação de variedades e quantidades que o cerimonial passou, para ter um equilíbrio. Acho que sobrou um pouco de doces que levamos para casa no dia seguinte. Bem casados, pão de mel, brownie, tudo saiu e não sobrou nada.

A mesa tava incrível de linda! Foi a mais linda que já vi, mas eu sou super suspeita para falar.

 

 

 

Buffet:

 

Ficamos mais que satisfeitos com a escolha do Buffet da Rosani. Além da comida maravilhosa, a atenção que a Rosani nos deu foi muito além.

Escolhemos ter uma grande mesa de frios, canapés volantes, jantar servido em ilhas e lanchinho da madrugada.

De bebida tínhamos um bar de drinks (Top bartender) com capis gourmet, gin e harmonizações e moscow mule. Também tinha volante champagne, whisky e vinho tinto.

 

Música da festa:

 

O DJ já estava escolhido antes de ter noivo e noiva! Nossa data foi baseada na agenda do Guga.

Eu amei as musicas, tudo que ele tocou do início ao fim, então não consigo destacar uma.

 

Registros:

 

Foto escolhemos o Rodrigo Sack, sempre amei o trabalho do Rodrigo Sack e conheço a Pat tem tempo, então não tive dúvidas. E vídeo recebemos algumas indicações do cerimonial, vimos qual tinha mais nosso estilo, e escolhemos a AG2. Não foi nada fácil ser filmado e fotografado, a gente é bem ruim como modelos. Na véspera do casamento fizemos um ensaio, o que ajudou um pouco a estarmos mais soltos no dia. Usamos a #cahediogo.

 

Convidados:

 

A festa foi para 300 presentes e consideramos 30% de falta, dado que era fora do Rio e temos muitos convidados de fora. Depois do RSVP tínhamos aproximadamente 330 confirmados, mas ainda teve um % de falta em cima dessa lista. Alguns familiares e amigos que moram fora do pais não puderam ir e fizeram falta sim, mas muitas pessoas nos surpreendem com a presença também e ficamos super felizes.

Acho que para quem está organizando lista agora, o que funcionou para gente foi não considerar no cálculo de falta de 30% pessoas que tínhamos certeza que não iriam. Exemplo: Meu tio mora na suécia, enviamos convite para ele, mas ele não entrou na nossa conta de 30% de falta pois sabíamos que ele não ia conseguir vir. Fizemos uma lista e convites separados para aqueles que a gente sabia que não viriam, mas que queríamos convidar de qualquer forma.

 

◊ APÓS O CASAMENTO

 

 

Lua-de-mel:

 

Polinésia Francesa. Foi surreal!! Lá é maravilhoso, diferente de tudo que temos aqui e perfeito para lua de mel, super recomendo!

 

Dicas importantes sobre a organização pós casamento + lua-de mel + novo apartamento:

 

Não pira!! Vai dar certo!! Brincadeira… A gente já tinha apartamento pronto, então ajudou…

Mas mesmo assim, é muita coisa para ver e muito detalhe…Então é legal dividir as tarefas, o Diogo super ajudou com os contratos e pagamentos, minha mãe e sogra ajudaram com algumas coisas também. Eu acho que fomos um pouco centralizadores e me descobri bem detalhista, então eu via tudo, então o que puder e conseguir delegar é bom também, por exemplo, roupinhas de pagem minha mãe resolveu sozinha, já ajuda bastante.

 

Presentes:

 

Ainda estamos nesse processo!! Nossa ideia é agradecer a todos os presentes e carinho que recebemos.

 

Ficha técnica:

Cerimonial e Assessoria: Roberto Cohen

Local da Cerimônia: Fazenda Santo Antônio

Celebrante: Paulinho e Bianca – Irmão da noiva e irmã do noivo

Música de Cerimônia: Versus Quatro

♦ Decoração da cerimônia: Tais Puntel

Local da Festa: Fazenda Santo Antônio

Buffet: Rosani Simas

Decoração: Tais Puntel

Florista: Tais Puntel

Iluminação: DJ MAU

Mobiliário: Center Festas e Chiavari

Plantas: Tais Puntel

Toldo: Seriflex

Bar: Top Bartender

Música da Festa (DJ, Banda, Sax, Bateria): Guga Weigert

Fotografia: Rodrigo Sack

Filme: AG2 Digital

Bolo: Bolo da Chris

Doces: Christiane Guinle

♦ Doces:  Denise do Rego Macedo

♦︎ Brigadeiros: Fabiana D’Angelo

♦︎ Brownies: Olenka 

♦︎ Doces Portugueses: Barriga de Freira | Monica e Naná 

♦ Pão de Mel: Fafa Sumar 

♦ Bala de coco: Rosangela Loureiro Cakes 

Bem-casados: Elvira Bona

Lembrancinhas: TP Design

Convite: TP Design

Identidade visual: TP Design

Gerador: DJ MAU

Ar Condicionado: Aquecedor Seriflex

Manobra e Segurança: Itatrade

Vestido de Noiva: Martu

Véu: Martu

Grinalda: Hera

Cabelo e Maquiagem: G Junior

Sapatos: Lidu

Buquê: Tais Puntel

Roupa do noivo: Hugo Boss

Lapelas dos padrinhos: Tais Puntel

Roupa das Damas e Pajens: Sylvinha Freire

Carro da noiva: próprio

Alianças: Tiffany

Hotel da noite de núpcias: Parador Santarém

Lua de mel: Polinésia Francesa

Lista de presentes: Studio Grabowsky, H stern home, presentes mickey e cotas de lua de mel

 

NEWSLETTER-POST-3-3-750x125

Leia mais:

Destination Wedding | Vale do Cuiabá – Maria Clara e Pedro

14 passos para um casamento sustentável

Lingeries incríveis para sua lua de mel

Comentários “Casamento na fazenda – Camila e Diogo

Deixar um comentário