Lua de mel em Laos

 

Dona de riquezas milenares e de uma herança cultural autêntica, não é segredo que a Ásia é um continente de grandes surpresas. Da China à Indonésia, da Índia até a Tailândia, essa parte do mapa é capaz de proporcionar experiências tanto de desconexão quanto de aventura, marcando a viagem a dois com momentos épicos e paisagens que ficam gravadas na memória para sempre.

 

Em Laos, no sudoeste asiático, a beleza do país impressiona de diferentes formas. Suas maravilhas naturais se contrastam com templos budistas, que dão um charme especial ao destino e ainda estampam alguns dos cartões-postais mais bonitos da Ásia.

 

Cortado pelo rio Mekong, o décimo terceiro maior rio do mundo em extensão – que nasce no Tibet e percorre todo o sudeste asiático até desaguar no Mar da China Meridional, no Oceano Pacífico –, Laos também chama atenção por seu relevo montanhoso, além da arquitetura colonial inspirada nos estilos franceses e mosteiros budistas que impressionam e evocam a sensação de serenidade.

 

Limitado pela China ao norte e a oeste pela Tailândia, o país também está próximo de destinos como Vietnã, Camboja e Myanmar, o que pode garantir viagens combinadas para quem deseja explorar além das suas fronteiras.

 

Laos é considerado um dos lugares mais interessantes do sudoeste asiático para se visitar. Sua cultura legítima se mantém viva em cada traço do país, dividindo a atenção com uma natureza exuberante e construções históricas que preservam o estilo colonial sem interferências do século 21.

Na capital Vientiane, o Pha That Luang é uma das atrações que vale a pena conhecer de perto. Instalado no centro da capital, o monumento é um dos símbolos budistas mais importantes do destino e, desde sua construção original, erguida no século 3, sua estrutura dourada sofreu uma série de renovações – a mais recente feita em 1930.

Medindo 45 metros de altura, a construção tem o topo coberto de folhas de ouro e, segundo as tradições, foi erguida para abrigar uma importantíssima relíquia sagrada: o osso esterno de Buda. Em Vientiane, também são bacanas passeios até o memorial de guerra Patuxai, dedicado aos que lutaram pela independência do país, e ao Talat Sao, mercado de roupas, alimentos e artesanato para quem deseja estreitar um pouquinho mais o contato com a cultura local.

 

Mas é Luang Prabang o verdadeiro destaque do país. Patrimônio Cultural da Humanidade, a cidade serviu como capital real de Laos até 1975 e é, até hoje, conhecida principalmente pelos seus emblemáticos templos budistas e pelo encontro dos rios Mekong e Nam Khan – além das vistas para as grandiosas montanhas que rodeiam a cidade.

O Rio Mekong é parte emblemática do cenário, famoso por proporcionar vistas de um pôr do sol deslumbrante durante os percursos românticos que cruzam suas águas.

 

 

É em Luang Prabang que também estão algumas das atrações naturais mais belas do sudoeste asiático: as cachoeiras de Kuang Si e o Monte Phousi, por exemplo.

As cachoeiras de Kuang Si estão localizadas no interior do Parque Tat Kuang Si Parque, e suas águas misturam tons de azul turquesa com verde-esmeralda, formando uma piscina natural ideal para os recém-casados que procuram relaxar e, ao mesmo tempo, contemplar paisagens instagramáveis.

 

O parque ainda proporciona outras curiosidades para se visitar: por lá, há o Bear Rescue Centre, organização que se dedica à proteção de ursos resgatados e promove o combate à caça ilegal.

Os visitantes podem observar a tranquilidade dos animais em seus refúgios, além de passear pela lojinha para comprar camisetas e outros presentinhos com a estampa “Free the Bears”.

 

 

O Tat Kuang ainda conta com outras inúmeras piscinas naturais e trilhas para os mais aventureiros, prática que permite apreciar de pertinho a natureza local e explorar as belezas intocadas encontradas no parque.

Já no centro da cidade velha, quem rouba a cena é o imponente Monte Phousi, com os seus cem metros de altura – equivalente a uma subida de 355 degraus – que exibe um panorama espetacular do seu topo, principalmente durante o pôr do sol. 

 

Luang Prabang também abriga tesouros como as Cavernas Pak Ou, que por séculos foram utilizadas como depósitos para guardar centenas de imagens de Buda – algumas delas encravadas nas próprias rochas.

Essas duas cavernas, também conhecidas como Tham Ting e Tham Teung, podem ser acessadas em uma viagem de barco pelo Rio Mekong, e o seu percurso já garante um visual magnífico para se apreciar antes da chegada – da entrada, tem-se vistas incríveis dos altos penhascos e do efeito redemoinho das águas ocasionado pela junção dos rios.

O lugar ainda é considerado um santuário sagrado por vários fiéis, o que atrai peregrinos de diversas partes do mundo. Estima-se que mais de oito mil estátuas de Buda e outras divindades estejam concentradas apenas na Tham Teung, algumas com mais de 300 anos.

 

Além das cavernas, ainda são atrações históricas em Luang Prabang os templos budistas seculares, que mantêm suas tradições religiosas vivas e impressionam pela exuberância de suas arquiteturas.

O Wat Xieng Thong, instalado às margens do Rio Mekong, é um dos mais importantes e antigos. Construído em 1560, é decorado com ouro maciço, belíssimos vitrais e influências típicas do estilo tradicional de Laos.

 

No exterior, há ainda um jardim com palmeiras instalado entre as suas várias capelas, uma delas abrigando um raro Buda reclinado em bronze, datado da mesma época em que o templo foi fundado – esta estátua, muito reverenciada pelos habitantes, foi uma das atrações da grande Exposição de Paris, realizada em 1931.

Vale a pena também encaixar no roteiro o Wat Mai Suwannaphumaham, um dos maiores templos do país e também o mais bem decorado – as características que mais chamam a atenção no seu design são os painéis de ouro que retratam a história da mais importante encarnação de Buda, Vessentara Jataka.

 

 

Outra construção que não pode ficar de fora da lista é o Wat Wisunarat, o mais antigo templo em atividades ininterruptas de Luang Prabang. Mas a visita até ele não vale só por isso: o lugar ainda é considerado um importante museu religioso, já que abriga diversas estátuas de Buda em bronze, madeira e pedra, além de outros artigos sagrados.

 

Os casais ainda podem visitar de pertinho o maravilhoso Haw Kham, também conhecido como Salão de Ouro ou Palácio Real. Construído em 1904, possui uma arquitetura superinteressante que mescla elementos do país com influências francesas.

 

O palácio também serviu de residência para a realeza até o fim da monarquia no país, em 1975, quando o governo foi tomado pelos comunistas e o local foi transformado em museu. A visita acontece ao longo dos seus aposentos, incluindo as salas de recepção, os quartos, o salão de jantar, a sala de presentes e a sala do trono, onde estão expostas as Joias da Coroa.

Ficam também em exposição diversos artefatos ligados à realeza, ao budismo e à arte.

 

 

E por falar em museu, há muito para se ver no The Traditional Arts and Ethnology Centre, ainda em Luang Prabang. O espaço está localizado em uma antiga residência colonial francesa é uma ótima opção de passeio para quem deseja aprender sobre as diversas etnias presentes no país, já que exibe vestimentas tradicionais, antigas máquinas de tear, utensílios domésticos e outras relíquias que ilustram os antigos costumes do destino.

 

O Talad Phosy Market também é bacana para explorar a cena cultural do país. Esse é o maior mercado da cidade e propõe uma grande variedade de produtos, que vão de hortaliças e peças de roupas típicas a artesanatos e uma série de ingredientes locais depositados em uma infinidade de banquinhas.

 

Onde comer em Laos

 

Mountain Terrace

O Mountain Terrace está instalado no Belmond La Residénce Phou Vao, em Luang Prabang, e sua cozinha francesa criativa é combinada a vários toques da gastronomia local. Os casais ainda desfrutam de um panorama belíssimo do Monte Phousi, além do ambiente elegante e romântico proporcionado pelo restaurante.

 

The Great House

No Rosewood Luang Prabang, o restaurante The Great House é dedicado aos sabores regionais do Laos, com um cardápio que investe em ingredientes sazonais de origem local, fornecidos por agricultores da região – alguns também são cultivados em horta própria. Especialidades asiáticas compõem o cardápio, abraçando as influências do país e servindo pratos da sua culinária tradicional.

 

Onde ficar

 

Amantaka

Às margens do Rio Mekong e próximo a boutiques e restaurantes, o hotel Amantaka, em Luang Prabang, está instalado em uma propriedade histórica, rodeada por áreas verdes.

As suítes – algumas com piscinas particulares – ostentam o charme típico de Laos, com um design influenciado pelo estilo colonial e que, ao mesmo tempo, emana elegância e transmite sensação de tranquilidade.

Na gastronomia, os casais têm à disposição o The Restaurant, dedicado à combinação da culinária francesa com a tradicional cozinha de Laos, o Pool Terrace, instalado ao lado da piscina principal e que serve cardápio casual, e o Lounge Bar, com menu de drinques preparado com ingredientes locais.

A lista de atrativos não para por aí: há aulas de cozinha com o chef do hotel e um spa que investe no bem-estar dos hóspedes, proporcionando tratamentos personalizados inspirados pelas tradições de cura e rituais budistas.

 

Se vocês estão pensando em passar a lua de mel na Ásia, Laos é um destino que vale a pena considerar!

 

Qualquer dúvida deixe nos comentários que teremos o maior prazer em ajudar! 😉

 

teresa-perez-tours-e-caseme

 

Leia mais:

 

Lua de Mel no Egito

Cronograma de casamento: passo a passo em 7 etapas

Buffet Capim Santo, a natureza no seu casamento

Deixar um comentário