Hoje é o Dia Internacional da Mulher, símbolo de uma série de reivindicações e conquistas sociais, políticas e econômicas ao longo dos anos. Em homenagem as mulheres, noivas, madrinhas, mãe dos noivos e convidadas, vou mostrar neste post o poder feminino traduzido nas criações de Elie Saab, um super estilista libanês. Mostre o seu poder!

Sinônimo de luxo e sofisticação, Elie Saab leva a feminilidade a outro patamar.

Nascido e criado em Beirute no início da década de 60, o autodidata desenvolveu seu interesse por moda cedo, aos 9 anos Elie já desenhava roupa para as suas irmãs. Rapidamente seu talento foi reconhecido no bairro e assim conquistou sua primeira clientela.

Em 1981 ele se mudou para Paris para estudar moda, mas acabou voltando em 1982 para Beirute, onde abriu seu atelier. Aos 18 anos, Elie já tinha o seu próprio negócio e liderava uma equipe de 15 funcionários. Logo, ele deixou de vestir apenas as mulheres do próprio bairro para fazer vestidos para as mulheres da alta sociedade de Beirute.

Em 1997, Saab foi o primeiro estilista não italiano a se tornar membro da Câmara Italiana de Moda. Esse foi o gancho para que naquele ano ele lançasse uma coleção em Roma, a primeira fora do Líbano. Mas o seu grande momento ainda estava por vir: em 1999, a rainha Rania da Jordânia usou um vestido de Elie Saab em sua entronização, momento máximo de sua carreira até então. O estilista foi convidado pela Câmara da Alta-Costura da França a desfilar na Semana de Moda de Paris em 2000. Sua ascensão foi certeira e merecida.

Hoje o estilista é bem quisto entre as celebridades e suas criações costumam marcar presença em eventos como Globo de Ouro e o Oscar.

Leia também: Alta costura para daminhas

Confira alguns de seus modelos:

 

Seu talento é inegável né?

 

→ Curiosidade: Você sabe a origem do Dia Internacional da Mulher?

A luta das mulheres por melhores condições de vida e trabalho começou à partir do final do século XIX, principalmente na Europa e nos Estados Unidos. As jornadas de trabalho de 15 horas diárias e a discriminação de gênero eram alguns dos pontos que eram debatidos pelas manifestantes da época.

De acordo com registros históricos, o primeiro Dia da Mulher foi celebrado nos Estados Unidos em maio de 1908 (Dia Nacional da Mulher), onde mais de 1.500 mulheres se uniram em prol da igualdade política e econômica no país.

o 8 de março teve origem com as manifestações das mulheres russas por melhores condições de vida e trabalho, durante a Primeira Guerra Mundial (1917). A manifestação que contou com mais de 90 mil russas ficou conhecida como “Pão e Paz”, sendo este o marco oficial para a escolha do Dia Internacional da Mulher no 8 de março, porém somente em 1921 que esta data foi oficializada.

Por muito tempo, a data foi esquecida e acabou sendo recuperada somente com o movimento feminista nos anos 60. A Organização das Nações Unidas, por exemplo, somente reconheceu o Dia Internacional da Mulher em 1977. Atualmente, além do caráter festivo e comemorativo, o Dia Internacional da Mulher ainda continua servindo como conscientização para evitar as desigualdades de gênero em todas as sociedades.

Fonte: Calendarr e Wikipedia.

 

Leia mais:

Existe o look ideal para as madrinhas?

Rabo de cavalo nunca sai de moda

Vestido de noiva e tatuagem, combinam?

Deixar um comentário