Se ter um vestido de noiva já é maravilhoso, imagina dois? A noiva, que trabalha no marketing da PatBo, teve dois vestidos de noiva confeccionados pela estilista. Patricia Bonaldi fez dois estilos de vestido diferentes: um para a cerimônia, mais clássico; o outro para a festa, leve e “easy”. Assim os vários desejos de Marina para o vestido foram atendidos!

O noivo criou um registro para mostrar para os filhos: o vídeo pedindo Marina em casamento. A surpresa de José Roberto para fazer o pedido, que demorou mais do que ele esperava para acontecer, foi linda!

Marina, em seu relato, deu uma dica que considera importantíssima para quem vai casar: conhecer e conversar com todos os fornecedores antes de contratá-los.

 

Os Casamentos Reais publicados no CaseMe são escritos diretamente pelas noivas ou noivos. Nossa proposta é uma troca real de experiências, sejam boas ou ruins, que ajudem outras noivas que ainda estão no processo, com foco e inspiração!

 

Noivos:  Marina Pascon e Jose Roberto Leite.

Local: Clube Hipico de Santo Amaro (cerimônia e festa), em São Paulo.

Data: 05.05.2018.

 

◊ ANTES DO CASAMENTO

 

 

História do casal:

 

Nos conhecemos na Copa do Mundo de 2014. Estava organizando a festa surpresa de aniversário de uma grande amiga, que acabou se tornando a cupida de nossa história. Foi um sentimento muito bom, logo que o vi… lembro até hoje do jeito que ele estava sentado no banco e de seu sorriso. É algo que não sai da minha cabeça. Tenho essa imagem nítida até hoje!

Já tinha ouvido o nome do anteriormente… que era um super líder, grande profissional, cheio de valores, educado, gentil, um verdadeiro cavalheiro. Algumas semanas depois, conversando com essa amiga, acabamos entrando na pauta “Zé”. Comentei que algo nele tinha me chamado  atenção. Me feito muito bem. Não sabia exatamente o que, mas me despertou um sentimento muito bom. Pedi para que ela não levasse adiante, era apenas um “desabafo”. Mas, a conversa acabou ganhando amplitude! A Dani, nossa amiga, citou meu nome para ele “despretensiosamente” e, poucos dias depois, saímos para jantar. Me recordo que no dia, antes de nos encontrarmos, passei mal no trabalho, tive calafrios e dores no estômago. Quase cancelei nossa saída, mas meu sábio e amado pai me deu um dos melhores conselhos e me incentivou a ir.

Desde do primeiro encontro nos conectamos e fomos construindo gradualmente, um amor sincero, de respeito, aceitação, muito amor.

O primeiro beijo aconteceu no segundo encontro, no clássico: jantar + cinema. Até hoje nos lembramos desse dia e rimos muito, eu bem nervosa e travada, ele tentando descontrair kkkk

Nossos maiores hobbies são viajar, conhecer lugares novos, se conectar com a natureza. O adora cozinhar e ultimamente estamos adorando ficar em casa, cozinhar algo bem gostoso para os nossos amigos acompanhado de um bom vinho. A comida é, com certeza, um prazer muito grande nosso! Adoramos esportes, e há pouco mais de 3 anos eu pratico yoga: sou muito ligada em meditação e a prática me ajuda muito a focar no presente e nos meus objetivos, algo que o também passou a se interessar.

 

 

O pedido de casamento:

 

Essa parte foi escrita pelo Zé kkkk:

Tudo deu errado até que, no fim, tudo deu certo! Comprei a aliança em setembro de 2016 e queria pedila em casamento até o final daquele ano. 

Sempre soube que ela gostaria de uma grande surpresa. Fiquei 2 meses planejando como seria o pedido… Foram várias tentativas frustradas, desde shows, Sala São Paulo e até mesmo um desfile de moda, mas nada dava certo, ou porque não teria mais o show ou porque o estabelecimento não permitia ou porque não tinha mais nenhum desfile de moda previsto para até o fim do ano. Até que um dia, já próximo do fim de novembro, fomos jantar e ela me disse que ia viajar a trabalho para acompanhar um evento. Dessa conversa veio a ideia… E se eu também viajasse sem ela saber e fizesse o pedido lá? 

Aparentemente era uma boa ideia e simples de executar, então vamos ao plano: 

Vou ligar para uma amiga dela do trabalho para informações do voo, hospedagem e horários. Fácil! Só que não! Liguei no telefone fixo do trabalho dela e pedi para falar com uma amiga que conhecia, depois de contar todo o meu plano descobri que não estava falando com quem eu conhecia e sim com outra pessoa que tinha o mesmo nome e trabalhava na mesma área, mas ok! 

Consegui as informações do voo e hotel. Ela ia viajar de manhã então comprei a minha passagem para a tarde do mesmo dia e um hotel bem próximo ao dela

Um dia antes da viagem fui jantar com os pais dela. Quando voltei, liguei para a marina e ela disse que tinha alterado o voo para a tarde e que talvez também trocasse de hotel, o detalhe é que ela mudou o voo para o mesmo que o meu, logo tentei trocar meu horário, porém minha compra tinha sido pela internet e a agência só abriria no dia seguinte, o dia da viagem. 

Fiquei a manhã inteira tentando alterar meu voo e apenas consegui a troca 2 horas antes do embarque. Muito stress, mas deu certo (menos a parte financeira). Cheguei na cidade a noite e fui direto para o hotel dela para combinar com a concierge os detalhes para o pedido

Deixei avisado na recepção para que quando ela chegasse do evento me avisassem e foi dentro do quarto que aconteceu…”

 

Uma coisa bem bacana, é que o Zé gravou o pedido de casamento (está no nosso site www.marinaejoseroberto.com.br na aba “Pedido”). 

A gente comenta que quando tivermos nossos filhos, vamos poder mostrar exatamente a minha reação com o pedido de casamento. Toda vez que vejo o vídeo me emociono demais, foi muito especial, totalmente inesperado e bem romântico : ).

Ah… falando em vídeo, uma dica bacana para quem quer um Save the date menos convencional, é enviar um vídeo para os convidados, que gravamos na própria Hipica. Também está no nosso site e no link a seguir: https://vimeo.com/246436973

 

◊ O CASAMENTO

 

 

Os preparativos:

 

O Zé me pediu em casamento em novembro de 2016, marcamos a data mais ou menos no início de fevereiro de 2017. Queríamos fazer uma cerimônia que começasse no período da tarde e num lugar que tivessem muitas árvores, plantas e verde. No início pensamos em algumas fazendas fora de São Paulo, cogitamos até casar na Bahia, pois gostamos muito de praia, mas depois de pensar um pouco, chegamos à conclusão de que se fizéssemos fora da nossa cidade natal, possivelmente dificultaria a locomoção de alguns convidados. Na sequência veio a ideia de casar no Museu da Casa Brasileira: era o lugar ideal, muito verde e de fácil acesso para os convidados. Entretanto, quando entramos em contato com o local, tinham diversas limitações de datas e horários… fiquei bem chateada, sabe quando você visualiza seu casamento todinho em um lugar? Mas tudo bem, tinha de haver algum outro local que contemplasse todos os nossos desejos

Depois veio a ideia de celebrar na Fundação Oscar Americano, outro lugar belíssimo em São Paulo, mas também sentimos muitas dificuldades em relação à cobertura, piso… concluímos que talvez teríamos muitos mais detalhes para resolver do que imaginávamos.

Não era uma pessoa tão ligada no universo de casamentos inicialmente, como o pedido foi totalmente surpresa, parecia um mundo ainda distante para mim, por isso desconhecia grande parte dos fornecedores. Achava o máximo e tinha o sonho de celebrar o grande dia de uma maneira muito intensa e mais feliz possível, mas tudo isso ainda parecia desconhecido e inexplorado.

Tínhamos certeza de que o local seria primordial, inclusive para definirmos os outros fornecedores, por isso veio a ideia de encontrar uma boa assessoria de casamento, que pudesse nos direcionar para o melhor local. Esse detalhe foi primordial para tomarmos a decisão! Mas… uma vez que não tinham muitos nomes de cerimonialistas na minha memória, comecei do zero: busquei na Internet, em algumas revistas e blogs especializados, conversei com algumas pessoas que tinham experiência, mas ainda assim me senti MUITO perdida no início.

Já tinha conversado com duas assessorias, porém ainda estávamos cheios de dúvidas e incertezas: foi até que conhecemos, na casa dos meus pais, o Mig (Miguel Kanashiro). Desde o início, senti uma vibração incrível e a energia bateu! Quando nos despedimos neste dia, estava com a minha mãe, ela me olhou e disse: “Ma, é ele!”. A partir daí, tudo ficou mais simples: depois de termos falado de mais alguns locais, veio a ideia da Hípica de Santo Amaro. O Mig já tinha tido diversas experiências de festas lá, nos explicou sobre todas as normas e regras do local e, pelas fotos (não conhecíamos a Hípica pessoalmente) nos agradou bastante.

O passo seguinte foi a visita técnica: afinal, não fecharíamos nada sem antes conhecer pessoalmente o local (essa é uma dica importantíssima: fizemos questão de conhecer e conversar com todos os fornecedores antes de contrata-los. Foi essencial sentir a energia das pessoas, transmitir nossas expectativas e haver empatia de ambas as partes. Quando me falavam que seria o melhor dia de nossas vidas, realmente não imaginava que poderia existir um sentimento tão surreal como no dia do nosso casamento! Por isso, nada mais do que justo termos ao lado pessoas e empresas nas quais acreditamos e confiamos muito!). No dia da VT, conversamos com a Carla, que cuida dos eventos da Hípica. O céu estava lindo: muita luz solar, o local super arejado e lindíssimo: voltamos a nos animar bastante e enxergar nosso casamento num lugar incrível e especial!

 

Falamos um pouco sobre a disponibilidade de datas… sempre achei maio um mês lindo, céu azulado, baixa possibilidade de chuvas, meia estação… vimos todos os sábados de maio… o primeiro, que antecedia o dia das mães, era o dia 5… 05/05, uma data linda, ainda não estaria tanto frio (isso era uma preocupação inicial), o mês das noivas… parecia perfeito, só faltava checar a disponibilidade da Hipica e… UFA… data LIVRE! Mas, de repente, um detalhe a mais veio à tona: uma noiva do nosso assessor tinha reservado um casamento em outro local aparentemente no dia 05 também. Frustação novamente… quando tinha certeza que tinha encontrado o cerimonialista ideal, não poderia mais tê-lo neste dia, uma vez que ele não conseguiria fazer dois casamentos no dia 05… comecei a esgotar o pensamento em novas opções e alternativas até que, UFA novamente, a outra noiva não se casaria mais no dia 05/05, pois o local que ela tinha escolhido não tinha a disponibilidade neste dia. Tudo certo, tudo resolvido. O Miguel teria a data para assessorar nosso casamento, a Hipica estava livre para o nosso dia: felicidades mil!

Quando era mais jovem e o casamento ainda era um sonho super distante para mim, pensava que conseguiria focar um longo período somente para pesquisar os fornecedores que mais se adequavam ao meu sonho e às minhas possibilidades. Me imaginava “vivendo o processo” de um jeito muito profundo e com o tempo 100% dedicado a isso. Entretanto, vi que sem a ajuda de algumas pessoas chaves não conseguiria ir muito além na minha realidade daquele momento: meu trabalho consumia grande parte dos meus dias, inclusive finais de semanas, e sem o auxílio gigantesco de minha mãe e, claro, do Miguel, nada teria sido possível. O Zé também participou de todo o processo. Fiz mais do que questão de todas as decisões envolverem o aval do noivo. Ele ia comigo às reuniões e, dentro de todas nossas restrições de horários por conta do trabalho (o Ze também tem a rotina super tomada por conta da profissão) conseguimos nos ajustar e adaptar para estarmos presente em todos os encontros. O Miguel foi super flexível com os horários, entendeu perfeitamente nossa correria, as vezes nos reuníamos sexta às 21h, domingos às 19h… e assim, pudemos curtir o processo e ter a tranquilidade de que estávamos fazendo e aproveitando cada detalhe, pois sabíamos que passaria rápido e seria único!

Como trabalho com moda (Fashion Marketing na Patricia Bonaldi), a decisão do vestido de noiva foi mais tranquila pra mim. Estava viajando a trabalho com a Patricia quando meu noivo me pediu em casamento, ela foi a primeira pessoa a saber da novidade, participou de todo o processo e com certeza foi mais do que especial ter meus vestidos dos sonhos (foram dois) criados por ela. Até então via vários vestidos que me encantavam, mas demorei para visualizar exatamente como seria o meu! Eu e a Patricia ríamos muito, pois quando conversávamos sobre o vestido e as referências que eu mais gostava, mostrava desde o vestido mais clean possível até o mais rebuscado e falava: “Pat, é mais ou menos isso”. Kkkk Mas como ela me conhece super bem, falei de algumas características que tinha certeza que queria: manga cumprida, decotado nas costas e fluidez, até que ela me deu a ideia: porque não fazer dois vestidos: um mais clássico com alguns elementos modernos, e um segundo, para a festa, mais “easy”: uma referência que lembrava uma camisola, com fenda, que eu ficaria extremamente confortável e apta para dançar até o chão e pular muito kkkk Foi exatamente isso que aconteceu, consegui ter todos os vários elementos que amava em dois diferentes modelos, tudo aconteceu de uma maneira muito bacana e amável!

Para escolher os demais profissionais, nosso assessor nos apresentava os fornecedores que conhecia, acreditava no trabalho e, através dos portfolios, de fotos e de pesquisas – basicamente Internet, blogs e Instagram, elegíamos nossos tops 1, entendíamos valores e as particularidades de cada um, e depois de encontramos com todos pessoalmente, tínhamos a decisão final: essa foi a sistemática que adotamos.

 

O vestido de noiva:

 

Como eu e Patricia já tínhamos definido que seriam dois modelos, e confiava muito no seu talento e em sua equipe do sob medida, o processo da criação foi tranquilo. Depois das nossas conversas e do conceito principal definido, a Pat me mostrou alguns croquis dentro do que tínhamos imaginado, e a partir da decisão começaram as provas da tela do vestido e a continuação das provas em si. Sou apaixonada por moda, e com o tempo vi que o quanto mais buscasse por criações que tinham algo mais irreverente, mais me divertiria e estaria feliz no dia: para o primeiro vestido, deixamos o detalhe principal para a manga: bufante e com o punho com detalhes de bordados. Misturamos algumas rendas com o tule poá, que amo e fizeram visualmente diferentes camadas mesclando bordados localizados. Na saia, haviam várias nesgas que davam movimento e criaram um volume muito bacana para a peça: decotão na frente e nas costas e, para o véu, decidimos pelo tule poá rebordado com micro pérolas, criando um efeito 3D. Tivemos um vestido, na minha opinião, com elementos clássicos e contemporâneos, ar bucólico mas simultaneamente moderno e atual. Nos cabelos tinha certeza que queria flores: sempre achei lindo, romântico: conversei com a Denise, da Tula Casqueteria, que criou lindas flores de organza e combinaram com a proposta do vestido. Para o segundo vestido, pensamos em uma referência “slip”, com pedrarias na gola e amarração na lateral, cortinas de pedrarias nas costas, hot pants de renda e uma super fenda! A flor, que inicialmente prendia no meio rabo, veio para a lateral da cabeça e mudei para um rabo alto.

 

 

Acessórios:

 

O sapato foi um presente de uma grande amiga. Como sou bem alta (tenho 1,79m) sabia que gostaria de casar de flat. O Caio Torres tem modelos lindíssimos flats, e através de algumas referências que amava, ele criou meus sapatos sob medida. Quis com amarração na perna, de bico fino e fechado na parte traseira (aberto na lateral). A parte da frente era transpassada e com bordados de pedrarias. Queria que fosse muito confortável e me deixasse à vontade. O que é mais legal, inclusive, é que tranquilamente poderei usá-lo em diversas ocasiões pós casório.

 

 

Roupa do noivo:

 

Nós dois amávamos a cor azul para o grande dia. Como o casamento iniciou-se no final da tarde, a chamos o tom super leve e adequado. Ele fez com um alfaiate de confiança (foi um presente de um dos padrinhos para ele), no começo vimos juntos, na prova ele foi sozinho para fazer a surpresa para o grande dia.

 
Making of

 

Eu me arrumei na própria Hípica com a minha mãe, foi bem legal porque quando chegamos pude acompanhar um pouco do “making of” da decoração e da montagem da festa. Quando cheguei, meu sentimento foi “UAU, como está maravilhoso”. A Hípica tem um casarão e na parte superior usamos uma sala especialmente para produzir o vídeo e as fotos do making of. O se arrumou na casa dele, a equipe de vídeo e fotografia produziu o conteúdo lá e depois seguiram juntos para a cerimônia.

 

No início, gostaria de seguir a tradição de ficar uma semana sem nos vermos, mas como tínhamos detalhes para resolver do apartamento e ensaiamos uma dança juntos, fizemos os ajustes finais até a quinta-feira anterior ao casamento, que acabou sendo o último dia que nos vimos antes do dia 5/5. No sábado, ao acordar, trocamos mensagens, palavras de amor e de tranquilidade, foi muito especial!

 

Eu sou naturalmente bem mais ansiosa do que o Zé, ele é super tranquilo e eu sou mais pilhada. Como queria muito aproveitar a festa mega consciente, e curtindo cada detalhe ao máximo, busquei me tranquilizar praticando yoga, fiz massagens, aderi a um ritual de toda a noite fazer durante 15 minutos um escalda pés com água bem quente e colocava algumas ervas tranquilizantes como a Melissa, deixava o celular de lado e lia um livro que me deixava calma. Deu muito certo! p; todas as noites super cedo (ia para a cama por volta das 21h00), foi bem importante para descansar a mente nos dias que antecederam o casório.

 
Cerimônia:

 

A escolha do celebrante foi uma das mais importantes e significativas. Conhecemos o Padre Luciano no final de 2017, minha mãe já o conhecia e me falava palavras maravilhosas sobre ele. Assim que vimos a missa dele no Morumbi, eu e o Zé nos encantamos pela maneira na qual ele celebrava a missa, suas palavras tão doces e encantadoras. Tínhamos a certeza de que queríamos que ele celebrasse: sonhávamos com uma cerimônia tocante e tínhamos certeza de que ele era a pessoa perfeita. O que foi mais abençoado é que desde então nos aproximamos muito do Padre Luciano, ele conheceu nossa história como casal mais a fundo. 15 dias antes, fizemos uma cerimônia intima dentro da Igreja Nossa Senhora do Brasil apenas para nossos familiares, o que foi essencial para a gente. Foi uma noite muito emocionante e inesquecível!

 

No dia do casamento, o Padre Luciano também fez a celebração. Até hoje nossos amigos comentam o quão especial foram as suas palavras! Outra coisa que também foi muito tocante para gente foram os votos. Indico todos os casais a fazerem, é mágico!

 

Música da cerimônia:

 

Para a cerimônia, queríamos algo diferente, por isso optamos por não ter orquestra. Adoramos músicas cantadas nas cerimônias e, em nossas pesquisas pelo Instagram, acabamos conhecendo a Roberta Rique. Me encantei com a sua voz, marcamos uma reunião com ela, e logo de início amamos! Música é muito importante na minha opinião, é essencial para transmitir emoção e tínhamos algumas preferências musicais que a Roberta cantou com a sua banda perfeitamente bem! O Zé entrou com sua mãe ao som de Beatles e eu entrei com meu pai com Ave Maria, que é uma música marcante na minha vida.

Padrinhos e madrinhas:

 

Como tinham algumas pessoas bem especiais que adoraríamos que estivessem conosco, convidamos 6 casais de cada lado para ficarem no altar e mais 9 amigas, nossas mademoiselles, que ficaram na primeira fila. As madrinhas e mademoiselles usaram azul (sem restrição de tonalidade), e os padrinhos terno preto com a gravata rosê, que presenteamos quando os convidados para serem nossos padrinhos.

 

Damas e pajens:

 

Tivemos uma daminha e pajem que entraram pouco antes da noiva, eram nossos sobrinhos, e no momento da entrega das alianças tivemos mais uma daminha e dois pajens, que são filhos de uma grande amiga (considero da família!) As roupinhas foram alugadas, encontramos modelos lindos e achamos a opção mais prática para todos!

Local da festa:

 

Depois de nossa visita à Hípica, nos encantamos pelo local, atendia a todas nossas expectativas, tinha muito verde, árvores lindas e um espaço super bacana, além de ser dentro da cidade de São Paulo. Realmente foi muito especial ter casado lá, o dia estava maravilhoso: um céu azul sem nenhuma nuvem no céu, temperatura deliciosa. Tivemos um pouco de trabalho para acertarmos as questões de cobertura, piso… pois no último mês, crescemos um pouco o número de convidados, o que acarretou em uma remontagem do espaço pós cerimonia, mas tudo deu certo e atendeu ao que sempre havíamos sonhado!

 Decoração:

 

Quando conhecemos o acervo do Joel Matsuoka, Karina e Clarice Mukai, não tive muitas dúvidas de que seriam eles o responsável pela decoração: nunca tinha visto tantos itens decorativos lindos e diferentes! Passamos o briefing de que queríamos algo não tradicional, super orgânico, ressaltando o melhor do local! Fiquei maravilhada com a decoração… continuo me encantando ao ver as fotos e quando relembro do dia!

 

Bolos e doces:

 

Achávamos importante ter o bolo na mesa de doces, mas mediante a tantos docinhos, bem casados e a sobremesa maravilhosa do buffet, não achávamos que seria um item que realmente pontuaria grande diferença na festa, por isso optamos por um bolo fake com apenas uma fatia “real” para cortar! Pesquisamos nossos modelos favoritos no Pinterest e, ao escolhermos a referência preferida, o Miguel nos apresentou o trabalho da Manô Andrade que se assemelhava muito ao bolo que tínhamos amado! Sobre os docinhos, optamos por diversificar os sabores. Amamos muito a mesa de doces!

Foi muito importante ter feito a degustação dos docinhos anteriormente, no dia da festa não saímos da pista de dança e acabamos não comendo um docinho sequer… por isso é bem importante degustar e se deliciar com os docinhos nos preparativos do casamento.

 

Buffet:

 

O buffet foi espetacular! O L’Eppicerie. Tivemos ilhas de polentas e uma ilha fria com saladas de grãos, tartar de atum com guacamole de abacate e crisps de tempura, ceviche de robalo em emulsão de coco fresco, carpaccio de Portobello. Na ilha quente tivemos o sea bass ao curry com favas e fitas de coco, mil e uma folhas de batatas, vitela com laranjinha e legumes, couscouz de pupunha, sorrentini de burratas e risoto parmeggiano com aroma de trufas. De sobremesa, sorvetes de jabuticaba e de caramelo salgado com pretzel e pipoca caramelizada (esse é sensacional!), tarte tartin de goiaba com calda quente de catupiry, cocada morna de forno, hazelnut crunchy, cheesecake e composição de frutas. Um super diferencial para a gente foram as comidinhas da madrugada: o frapê de ovomaltine, o hot dog com queijo gratinado, little nell’s crunchy fries ao azeite de trufas brancas e mini tapioca com queijo coalho e coco.

No momento da festa queria tanto aproveitar que não consegui comer muito, durante a madrugada bateu uma super fome e para não sair da pista dava algumas garfadas no prato enquanto dançava (hahahah), o Zé idem!

De bebidas alcoólicas, servimos whisky, champagne, vinho tinto e tínhamos o Help Bar com os drinks e caipifrutas.

 

 

Música da festa:

 

DJ foi o Milton Chuquer e o Mc Robinho da Prata comandou os funks da madrugada. E teve uma surpresa muito especial, o Fabio Junior tocou no nosso casamento!!!!!!!! Foi uma surpresa do Zé para mim : )

 
 
Registros:

 

Para a fotografia, contratamos a Cissa Sannomiya e filmagem a equipe do Vinicius Credidio. Eles foram muito queridos desde o início, nos deixaram a vontade, foi bem leve e tranquilo. Amamos registrar o making of, nossas trocas de olhares durante a cerimônia e a animação na festa!

Tínhamos uma impressora que, quando o convidado postava uma foto com a hashtag do casamento no instagram (#casamentomarinaeze), a máquina imprimia duas versões da foto estilo 3×4, uma cópia ficava para o convidado e a outra poderia ser colada num álbum em que ele poderia escrever uma mensagem. Isso foi bem legal, tivemos o registro de vários amigos e inclusive trouxemos o book para a lua de mel e juntos lemos todas as mensagens com muita alegria!

 

Convidados:

 

A festa foi para 450 convidados, convidamos 20% a mais e teve mais ou menos essa quebra mesmo. Fizemos RSPV ativo para aqueles que não tínhamos certeza se iriam.

Essa parte da lista foi a mais complexa do casamento, realmente não é simples definir a lista, a gente acaba ficando insegura de faltar alguém importante. Acho que a dica principal é iniciar a lista com calma e ir preenchendo aos poucos, não deixar para a última hora pois são muitos detalhes. A quebra dos 20% que foi alertada pelo Miguel desde o início, foi super real, principalmente para os amigos dos pais ou amigos que moram em outra cidade. Tivemos a ilustre presença de dois amigos, que moram fora do país e vieram apenas para o casamento, foi muito especial! Para quem é de fora, é bem importante mandar o Save The date com antecedência para o convidado se programar. Enviamos o nossos 6 meses antes!

 

Ferramentas:

 

Não usamos aplicativos, o que mais recomendo é ter ao lado pessoas nas quais você confia muito e que te darão todo o suporte. Ter esse apoio moral foi essencial!

 

◊ APÓS O CASAMENTO

 

 

Lua-de-mel:

 

Polinesia Francesa (Tahaa e Bora Bora) e Nova Zelandia. Uma experiência inesquecível, uma viagem realmente marcante!

 

Dicas importantes sobre a organização pós casamento + lua-de mel + novo apartamento:

 

Realmente não é fácil administrar a vida planejando um casamento, lua de mel, um apartamento novo e ao mesmo tempo trabalhando bastante. Foi essencial ter as pessoas que mais confiamos ao lado, junto do auxílio dos nossos familiares e amigos. Eu e o Zé, apesar de sempre estarmos a par das decisões, nos dividimos nas tarefas principalmente mais no final: como meu marido é engenheiro e tem bastante vivência com reformas, ele ficou mais focado no apartamento e também na lua de mel (tivemos o auxílio da Maristela, da Cinqs Tour). Durante a nossa lua de mel, o apartamento ainda não estava pronto, minha mãe nos deu todo o auxílio acompanhando os detalhes finais da obra.

 

Presentes:

 

Fizemos uma lista em nosso site do casamento, na Mickey e na Tania Bulhões. A maioria dos convidados nos presenteou através do site. Para cada presente, estamos enviando o agradecimento com nosso cartão de visita!

 

Ficha técnica:

♦ Cerimonial e Assessoria: Miguel Kanashiro

♦ Local da Cerimônia : Clube Hipico de Santo Amaro

♦ Celebrante: Padre Luciano Basilio

♦ Música de Cerimônia: Roberta Rique

♦ Decoração da cerimônia: Clarice Mukai

♦ Local da Festa: Clube Hipico de Santo Amaro

♦ Buffet: L’Eppicerie

♦ Decoração: Clarice Mukai

♦ Florista: Joel Matsuoka

♦ Mobiliário: Festah Moveis

♦ Plantas: Joel Matsuoka

♦ Bar: Help Bar

♦ Música da Festa: Banda SoS, Milton Chuquer, Robinho da Prata e Fabio Junior (surpresa para a noiva).

♦ Fotografia: Cissa Sannomiya

♦ Filme: Vinicius Credidio

♦ Bolo: Mano Andrade

♦ Doces: Mariza Doces, Danielle Andrade, Nininha Sigrist, Petite  Fleur, Pati Piva

♦ Bem-casados: Conceição Bem Casados

♦ Lembrancinhas: Cerâmicas feitas pela mãe da noiva (Regina Pascon)

♦ Convite: Papel Moeda

♦ Identidade visual: Papel Moeda

♦ Vestido de Noiva: Patricia Bonaldi

♦ Véu: Patricia Bonaldi

♦ Grinalda: Tula Casqueteria

♦ Cabelo e Maquiagem: Junior Mendes

♦ Sapatos: Caio Torres

♦ Buquê: Joel Matsuoka

♦ Roupa do noivo: Wanildo Alfaiate

♦ Roupa das Damas e Pajens: Better Rigor

♦ Alianças: Antiche Joias

♦ Hotel da noite de núpcias: Hotel Emiliano

♦ Lua de mel: Polinesia Francesa e Nova Zelandia (Cinqs Tour)

♦ Lista de presentes: Site Casar, Mickey Presentes e Tania Bulhões

 

NEWSLETTER-POST-3-3-750x125

Leia mais:

Casamento Anna Helena e Pedro

Jantar Bistrô no casamento por Ecila Antunes

Lua de Mel na Turquia: Istambul e Capadócia

 

Deixar um comentário