Luisa e Eduardo adoram aventuras e esportes radicais. 

Quando o casal tem personalidade e trás seu estilo para o casamento, tudo fica mais emocionante. Vale a pena ler a história desse casal.

Eduardo fez o pedido no fundo do mar, em um mergulho em Fernando de Noronha. Ele escondeu uma “caixinha tesouro” no meio dos corais, foi lindo, romântico e original.

O ideal de casamento para eles era uma cerimônia simples, em harmonia com o que mais gostam: estar pertinho da natureza.

Esse casal carioca decidiu casar em uma das praias que mais marcou sua história, a Praia do Patacho em Alagoas. Escolheram a assessoria da Criativas, que foi essencial para indicar os melhores fornecedores da região, e fazer o casamento do jeitinho que eles queriam.

A decoração super tropical e com predominância dos tons de amarelo, laranja e vermelho foi da Laura Amaral e os registros incríveis ficaram por conta do Carlos Vieira.

Se você é como esse casal e pensa em fazer um casamento na praia, não perca essa história!

 

Os Casamentos Reais publicados no CaseMe são escritos diretamente pelos noivos, em 1ª pessoa. Nossa proposta é uma troca livre e real de experiências, sejam boas ou ruins, que ajudem outros casais que ainda estão no caminho!

 

 

Noivos:  Luisa Parente Moreira e Eduardo Carneiro da Cunha Cintra

Local: Pousada Reserva do Patacho, Praia do Patacho, Porto de Pedras – AL

Data: 18 de janeiro de 2020

 

Créditos da foto do destaque: Carlos Vieira

 

 

 

 

História do casal:

 

 

Nos conhecemos em um festa na Estudantina, local de festas na Lapa, no Centro do Rio de Janeiro, há cinco anos atrás. Nosso primeiro beijo foi nessa mesma festa, nessa mesma noite. A partir de então, não nos desgrudamos mais! Ficamos alguns meses ainda como ficantes, até o então pedido de namoro, dia 27 de fevereiro de 2015.

Temos alguns grandes interesses em comuns, como por exemplo viagens e esportes mais excentricos, radicais! Quando ainda estávamos nos conhecendo, nosso quinto encontro foi um salto de asa delta no Rio de Janeiro. Já o presente de primeiro dia dos namorados foi um salto de skydiving. Já tiramos carteirinha de mergulho profissional e desde então, gostamos de ir atrás de diferentes pontos de mergulho pelo mundo.

A respeito do nosso interesse por viagens, esse é tanto que abrimos mão de duas semanas luxuosas de Lua de Mel em unico destino e vamos fazer um “mochilão” de sete meses ao redor do mundo, com foco no norte da África, sudeste asiático e Oceania.

 

 

O pedido de casamento:

 

O pedido de casamento seguiu a linha das aventuras =). Fomos para Fernando de Noronha passar uma semana em novembro de 2018 e em um dos nossos mergulhos, o Eduardo escondeu uma “caixinha de tesouro” no meio dos corais. Ele me mostrou embaixo d´agua, peguei e no que abri, a aliança saiu boiando.. Nesse mesmo segundo, pegamos a aliança e o Eduardo tirou duas faixas escrito “Quer casar comigo?” e a outra “Sim”. Achamos engraçado porque ele não mandou fazer a do “não”, risos.

Depois do mergulho, ele fez uma surpresa e mudamos para uma super pousada, na qual meus pais comemoraram 30 anos de casados. Ele ainda preparou um menu com o chef da pousada com algumas comidas específicas que eu adoro!

Vale ressaltar que ele coordenou para que tudo isso acontecesse no dia 07 de novembro de 2018, exatamente quatro anos do dia em que nos conhecemos.

 

 

 

Créditos: todas as fotos desta matéria são da Carlos Vieira 

 

 

Os Preparativos:

 

Marcamos a data do casamento exatamente com um ano de antecedência (fizemos a reserva na Pousada Reserva do Patacho no dia 17 de janeiro de 2019). Como somos do Rio de Janeiro e optamos por casar em Alagoas, o cerimonial – Criativa´s Priscila – foi bem necessário. Eles nos passaram algumas opções de fornecedores e fomos avaliando em cima de materiais apresentados diretamente pelos fornecedores e orçamento. Na verdade mesmo, fechamos praticamente todos os fornecedores “no escuro”, às vezes por indicação do cerimonial, as vezes por pesquisas aleatórias em Instagram e internet.

Gostamos de brincar que somos muito abençoados, porque foi um fornecedor melhor do que o outro. Como algumas coisas eram necessário estar presente – buffet, bar, bolo, docinhos, etc – passamos uma semana inteira de março em Recife e no Patacho para fazer essas degustações, o que foi muito bem aproveitado. Conseguimos fechar todos esses itens em sete dias. 

Sobre os preparativos como um todo, eu e Du nos dividimos super bem! Os dois trabalharam muito, do início ao fim! Amamos esse ano inteiro de praparativos e já estamos com saudades!

Confira as fotos do Jangaday que rolou no dia anterior do casamento!

 

Roteiro-completo-para-organizar-seu-casamento_-cronograma-comentado-em-7-etapas

 

No dia do casamento, antes da cerimônia: 

 

Todos os preparativos da noiva começaram cedo – por volta das 9h da manhã – então na verdade só tive tempo de acordar, botar um bikini rápido, dar um “oi” para o pessoal que já estava tomando café e corri para o mar para dar um mergulho de boas energias antes de começar toda a função. Minha melhor amiga/irmã/celebrante do casamento me acompanhou nesse mergulho, junto ao Carlos fotógrafo que fez alguns registros desse momento tão gostoso. Depois, corri já para o quarto, tomei banho e comecei o cabelo/make, alternando com a minha mãe, com a maquiadora notal MIL Duda Martins.

O dia foi bem gostoso e voou! Ficamos ouvindo músicas tranquilas – AnaVitoria, Silva, Marisa Monte – e papeando. Surpreendentemente, não fiquei nervosa por nenhum momento, até uma hora antes da cerimônia, em que o frio bateu forte. 

Já para o noivo o dia correu tranquilamente, como se nada houvesse! Aproveitou a piscina e a praia com todos os padrinhos, bebeu uma cervejinha para descontrair e momentos antes do casamento, começou a se arrumar, tranquilamente!

 

 

O vestido de noiva:

 

O vestido de noiva é uma história um pouco doida.. Confesso que tinha em mente uma ideia de vestido, mas nunca tive um vestido dos sonhos, propriamente dito. Já tinha colocado na cabeça que faria com uma costureira no Rio de Janeiro e trabalharíamos juntas ao longo do ano. No entanto, em março de 2019, fui a São Paulo em função de uma viagem a trabalho e como tinha um dia livre, resolvi sondar os ateliês de lá para ter noção de preço, o que me vestia bem. Foi um total de sete horas, cinco ateliês e mais de 40 vestidos. Não havia amado nenhum e confesso que me assustei com os valores. Agora, no ultimo ateliê em que fui – Yolan Cris, Casa Amarela Noivas – após experimentar onze vestidos, vesti o décimo segundo e me encantei! E foi isso…

Desde março que já havia o vestido comprado pronto. A grinalda eu peguei emprestada de uma super amiga minha que se casou no ano passado e eu já havia ficado apaixonada. Ela, como sempre um amor, me emprestou sem nem questionar.

O véu foi outro drama… Nunca quis usar véu, nunca pensei que fosse usar véu. Até três dias antes de viajar para o casamento, em que mudei de ideia e resolvi encomendar de última hora, só por precaução. Só fui decidir usar mesmo minutos antes de meu pai me buscar para o altar.

 

 

 

Acessórios:

 

A grinalda foi emprestada (something borrowed) de uma das minhas melhores amigas que casou em agosto de 2018, também na praia. São três lírios, super delicados, sendo de tamanhos diferentes, presos sobre o véu durante a cerimônia e sobre um rabo de cavalo para a festa. 

O sapato foi uma surpresa… Ao chegar para uma das provas do vestido, a vendedora disse que não seria possível fazer nada porque não tinha o sapato. Como sou do Rio de Janeiro e o ateliê em São Paulo, não pensei duas vezes.. Fui na loja ao lado do ateliê (Polignano Al Mare) e comprei um super confortável (e lindo)!

Sempre fui de reparar muuito nos buquês das noivas e fiz questão que o meu fosse excepcional, super diferente, descontraído, contemporâneo, mas o mesmo tempo romântico. Confesso que não foi tudo aquilo que sonhei em ousar, mas achei lindíssimo e fui no convencional mesmo, com orquideas brancas, muito verde e uns pingos de sementes, flores tropicais e orquideas amarelas para dar o match com a decoração e daminhas =)

O brinco foi presente de casamento dos meus pais, da Pricci. Meu novo xodó. 

 

Roupa do noivo:

 

Vimos algumas referências juntos antes dele fechar, mas tenho que dar esse mérito todo a ele. Foi na loja sozinho (na verdade com um dos padrinhos) na escolha e em todas as seguintes provas. P.S. Eu AMEI.

 

Cerimônia:

 

Em cinco anos de namoro, já havíamos ido à Praia do Patacho três vezes e rapidamente nos encantamos por todo aquele lugar. Não só pelas paisagens e belezas naturais de tirar o folêgo de qualquer um, mas também pela simpatia de todo mundo em quem esbarrávamos. Difícil não ver um sorriso por lá… Por tudo isso, já havíamos criado um carinho gigante por aquele pedacinho de paraíso.

Ao pensar aonde casar, como eu sempre pensei em casar na praia, de cara eu já sugeri o Patacho. O Eduardo ficou cheio de receio no início por ser muito longe do Rio de Janeiro, não conhecermos fornecedores, questões de infraestrutura e também medo de muitos dos convidados acabarem não conseguindo ir. Conversa vai, conversa vem, decidimos que isso tudo era muito pequeno dado a perfeição que seria dando certo.

Nossos celebrantes foram nossos melhores amigos que nos conhecem desde que somos bebês! Ana Elisa, do lado da noiva, Pedro Prates, do lado do noivo. Também não tivemos dúvida… Ninguém melhor do que esses dois para dizerem um pouquinho de cada um de nós e da nossa história. E acertamos em cheio! Os dois fizeram um discurso contando diretinho, com um toque de emoção e humor. Além dos dois, tivemos também a participação especialíssima dos nossos irmãos, Guilherme (irmão do noivo) e André (irmão da noiva). Foi nessa hora que todos os convidados – e também os noivos, fotógrafos, filmagem, cerimonial, entre outros – se acabaram em lágrimas.

 

 

Música da cerimônia:

 

Quem comandou a trilha sonora da nossa cerimônia foi a cantora Larissa Lisboa. Selecionamos alguns meses antes todas as músicas para todos os momentos da cerimônia e ela, com todo seu charme e simpatia, arrasou! 

Vale ressaltar que, ao final dos meus votos, combinei com o Guilherme (irmão do noivo) e com a Larissa, uma surpresinha para o noivo e todos os convidados. Eles cantaram a musica “Partilhar” do Rubel e foi de arrepiar (mesmo).

 

 

Padrinhos e madrinhas:

 

Chamamos um total de 14 casais, dentre eles nossos melhores amigos, primos, irmãos. Os padrinhos usaram calça bege, blusa branca, blazer azul marinho, tenis e cinto marrom, com uma orquidea branca na lapela. Já as madrinhas não tinham nenhum dress code. Ressaltei apenas que não deveriam usar cores muito fechadas, brilho e claro, nada próximo de preto ou branco. Também pedi para não irem de curto, mas que midi era bem vindo! O resultado foi que todas abusaram de tons super vibrantes e vivos! Ficou lindo!

 

 

Damas e pajens:

 

No total foram três daminhas (duas priminhas do noivo e uma da noiva) e dois pagens (os dois priminhos da noiva) – por priminhos, digo filhos de primos nossos. Compramos os vestidos das daminhas em uma loja no Rio de Janeiro (Le Lis Blanc). Foi fácil porque pegamos a época de ano novo, então as lojas tinham muitas opções em branco! O vestido é liso, branco, na altura do joelho, com um detalhe recortado nas costas. Sempre achei legal comprar em loja vestidos que as meninas possam usar em outras oportunidade e não somente no casamento. A roupa dos pagens também foi comprada em uma lojinha: calça caqui, blusa social branca e suspensórios. Seguindo o mesmo intuito de poder ser usada em outras oportunidades.

Todos entraram desfilando! Muito orgulho de todos eles! Ficou a coisa mais linda..

Vale ressaltar que um dos pagens pediu para a cerimonialista para entrar com o brinquedo favorito dele: um carrinho. 

 

Local da festa:

 

Assim como a cerimônia, a festa aconteceu na Pousada Reserva do Patacho, mas mais próximo da estrutura do hotel (banheiros, cozinha, piscina, etc), enquanto a cerimônia foi no gramado dos coqueiros. 

Não temos palavras para descrever. Foi muito além do que imaginávamos! A respeito do lugar em si, ficamos MUITO felizes em não colocar toldo. Desde o início ficamos encantado com a ideia de casar com aquele “teto” de estrelas e copas de coqueiros iluminados e foi exatamente assim. Sem contar com a brisa deliciosa que fez a noite toda… Nosso ar condicionado diferenciado. 

Pulando da natureza em si e indo para a parte arquitetônica, a Reserva do Patacho por si só é perfeita. Com seus tetos de palhinha, estruturas de madeira, pendentes e mobiliários com a cara do Nordeste, não tínhamos do que reclamar.  

 

 

 

Decoração:

 

Tínhamos em mente um casamento bem rústico, boho! Como havíamos falado, já era premissa de que o casamento seria na praia. Tendo isso em vista, ficou mais fácil de traçar uma linha para a parte estética. Como sou arquiteta, foi uma delícia criar o projeto junto a Laura Amaral, nossa decoradora – nota mil, diga-se de passagem.

Eu já tinha algumas referências de outros casamentos na minha pasta e em paralelo, a Laura dava ideias sempre para melhorar essas referências e criar o nosso, com a nossa cara e diferenciando dos outros. Ao meu ver, foi a dupla perfeita. Apesar de termos conversando item a item, visto cada mínimo detalhe juntas, de suculentas a urucum, a Laura conseguiu me surpreender e deixar tudo ainda mais lindo do que a minha imaginação conseguiu ir. Os arranjos da entrada da cerimônia e a mesa de bolo foram o ápice

E o toque especial veio da minha avó que costurou as capas das almofadas de todo o evento, que ficaram muito lindas!

A única questão que tivemos foi a respeito dos souplats das mesas. Infelizmente, houve uma complicação de última hora e os souplats não foram liberados. 

Obs.: Envio abaixo texto enviado pela Laura Amaral como breve descritivo da decoração do casamento:

“A decoração vai ter como predominância os tons de amarelo, laranja e vermelho. Utilizando flores tropicais em sua maioria para compor com o ambiente da festa que é um gramado a beira mar. 

 

A cerimônia será nos tons de amarelo e laranja e a passarela decorada com cestos com mix de flores e o altar todo em bouganvilles desidratados no tom de amarelo.

 

Para a festa uma proposta despojada numa mistura de lounges e mesas de diferentes formas para acomodar os convidados deixando assim o ambiente aconchegante em meio ao coqueiral da pousada Reserva do Patacho.”

 

Bolos e doces:

 

A partir do momento que decidimos fazer o casamento no Patacho, a escolha do bolo estava automaticamente feita: bolo de rolo. Apesar da noiva não gostar de goiabada, sempre achou os bolos de casamento com as camadas vermelhinhas aparentes a coisa mais linda do mundo.

Como nunca fui de comer bolos de casamento, achei que não seria problema não comer o meu também, e de fato não foi! Ficamos felizes porque o bolo foi um sucesso, não só esteticamente como no paladar. Um item muito elogiado por todos os convidados que no dia seguinte a festa, perguntaram se havia sobrado para o café da manhã.

A respeito dos docinhos, acabou sendo muito equilibrado dado o fato de que a noiva é extremamente tradicional – gosta de brigadeiros pretos, brancos, casadinhos, doce de leite – e o noivo excêntrico – gosta de pistache, amêndoas, queijo. A escolha foi praticamente 50/50, atendendo a todos os gostos.

A mesa de doces/bolo estava impecável! Havíamos combinado de que nós compraríamos 600 forminhas decorativas no Rio de Janeiro e as outras 600 forminhas seriam de acrílico fornecidas pela Benta Brigadeira. A Laura Amaral (decoradora) arrasou nas peças de apoio dos doces e nos arranjos. Não poderia ter sonhado por uma mesa mais linda…

 

Buffet:

 

Ficamos bem satisfeitos em fechar com o Buffet Fiordes de Recife. Temos que admitir que – acho que como todos os noivos – não conseguimos comer absolutamente nada durante toda a festa de tanta animação. Mas os convidados elogiaram bastante no dia seguinte! Fechamos o esquema de jantar em mini porções, mas também uma mesa de frios, quiches, saladas e alguns pratos.

Visando manter o clima da festa – e também porque adoramos – optamos por um menu voltado para frutos do mar e pratos mais tropicais, leves. Claro que optamos por manter alguns volantes com frituras para segurar o casamento.

Nosso bar foi uma empresa a parte, Bora Bora. Eles foram muito bons e muito elogiados! Servimos alguns drinks variados, entre eles caipivodkas com frutas do nordeste (que fazem muito sucesso entre os cariocas) – caju, siriguela, umbucajá – Moscow Mule e drinks com gim (também, extremamente elogiados). Além das bebidas do bar, deixamos de volante whisky, cerveja e espumante.

 

 

Música da festa:

 

Gostamos de brincar de que, mesmo antes de saber com quem nos casaríamos, uma coisa já era certa: O DJ André Paulo.

Fomos a um único casamento no Rio de Janeiro com ele no comando que foi excepcional. Nesse mesmo casamento brincamos com ele falando que o arrastaríamos para Alagoas e não deu outra. Ele nos acompanhou e não deixou a pista parar nem por um segundo durante doze horas.

A música que mais marcou o casamento foi “toda a forma de amor” do Lulu Santos. Não tínhamos nenhum “carinho” específico por essa música antes do casamento, mas ao tocar na festa, estávamos nos ombros de amigos e foi de arrepiar. Eu (Luisa) tive uma visão de toda a festa e caí no choro, sem conseguir controlar. Para mim, foi um dos melhores momentos da noite inteira.

Vale ressaltar que marcou tanto, que pedimos ao pessoal da filmagem para fazer o teaser de um minuto com ela ao fundo. O resultado ficou incrível.

 

 

Registros:

 

Fechamos nossas fotos com o fotógrafo Carlos Vieira e sua equipe, enquanto a filmagem ficou a cargo da Romeu e Julieta, comandado pelo Hugo.

Não temos palavras suficientes para elogiar esses dois. Sempre com uma energia e bom humor ímpar, sorriso no rosto, brincadeiras e presentes 100% do tempo. Ao se tratar do material e trabalho, foi nota um milhão. Fotos e vídeos impecáveis, conseguindo deixar sempre claro o que foi efetivamente os dias. Entregaram os materiais na velocidade da luz, sem nem precisarmos pedir. Os convidados – e nós – ficaram chocados.

Como sou muito tímida – e nada fotogênica, diga-se de passagem -, para mim foi um pouco estranho estar toda aquela atenção e lentes, mas tudo bem! Já sabia que seria assim…

O que mais gostamos de registrar foram os momentos espontâneos em que não sabíamos que estávamos sendo registrados! Muito bom receber o material e nos surpreender com cenas que não lembrávamos.

Nossa # é #luedunopatacho.

 

 

Convidados:

 

Tivemos um total de 230 presentes no casamento e nossa lista geral foi em torno de 500, 550. Como somos do Rio e o casamento foi no Patacho, já imaginávamos que o porcentual de ausências seria maior (achávamos que iriam 200 convidados). 

Nosso cerimonial não contava com RSVP, então tivemos que fazer nós mesmos o que deu um certo trabalho. Recomendo as noivas de 1ª viagem a fecharem esse item com o cerimonial ou alguma empresa terceirizada porque realmente é uma dorzinha de cabeça.

 

 

 

Lua-de-mel:

 

Como falamos no início, nossa lua de mel está sendo “um pouquinho” diferente…

Resolvemos nos aventurar durante sete meses em um sabático ao redor de 15 países, a princípio (inclusive estamos respondendo esse questionário diretamente de um trem em Portugal). A ideia é completamente oposta ao que se esperar de uma típica lua de mel: estamos apenas com um mochilão de 10kg nas costas, sem muita mordomia ou glamour =)

Nossos destinos até então são: Portugal, Marrocos, Israel, Jordânia, Turquia, Russia, Myanmar, Camboja, Laos, Vietnam, Tailândia, Indonésia, Filipinas, Nova Zelândia e Austrália. 

Como estamos no primeiro destino, não tenho como recomendar ao certo para outros casais (risos), mas a minha aposta é que sim, e muito!

Seguindo a linha da nossa # do casamento (#luedunopatacho), criamos uma nova #luedunomundo, assim como um instagram para registrarmos algumas coisinhas e para nossos amigos e familiares poderem acompanhar também @luedunomundo.

 

 

Presentes:

 

A respeito dos presentes, como não estava nos nossos planos montar um apartamento até nosso retorno em setembro, fizemos uma lista online no nosso site de casamento.

Agradecemos cada um dos presentes através de um email com um cartãozinho com a logo do casamento e um texto personalizado, para cada um dos convidados.

O processo foi longo e um pouco cansativo (ficamos um total de 7 horas para conseguir gerar o modelo do cartão no photoshop, organizar todos os que enviaram presentes e seus e-mails, escrever os textos diferentes para cada um e enviar por e-mail. Mas valeu a pena! Muito bom ver o quanto gostaram e suas mensagens carinhosas!

Uma boa despedida para uns dias tão especiais.

 

 

Ficha técnica:

♦︎ Local: Pousada Reserva do Patacho

♦︎ Assessoria e cerimonial: Criativas      

♦︎ Música de Cerimônia: Larissa Lisboa

♦︎ Fotografia: Carlos Vieira

♦︎ Filme: Romeu e Julieta Filmes

♦︎ Decoração: Laura Amaral    

♦︎ Estrutura e Iluminação: One Light   

♦︎ Florista: Laura Amaral

♦︎ Mobiliário: Living Eventos

♦︎ DJ: Andre Paulo      

♦︎ Buffet: Fiordes

♦︎ Bolo: Benta Brigaderia

♦︎ Doces: Benta Brigaderia

♦︎ Vestido: Casamarela Noivas         

 Cabelo e Maquiagem: Duda Martins

♦︎ Sapatos: Polignnano Al Mare

♦︎ Roupa do noivo: Otto

♦︎ Daminhas: Le Lis Blanc

♦︎ Gerador: CR Locações

 

 

 

Cadastre-se para receber nossas matérias no seu email.

NEWSLETTER-POST-3-3-750x125

 

 

Leia mais:

 

Casamento de Thamires e Renato um clássico na natureza

 

Lua de Mel no Quênia

 

Cronograma de casamento: passo a passo em 7 etapas

Deixar um comentário