Hoje iniciamos uma série de artigos, desenvolvidos pela Fellipelli  para que você, que vai casar, aproveite todo o conhecimento do assessment de personalidade MBTI para desenvolver um relacionamento mais harmônico.

Afinal, casamento não é uma cerimônia seguida de festa, é um compromisso de dividir a vida para somar. E se o relacionamento não está somando como poderia, precisamos buscar ajustar a equação. E essa coluna tem essa missão; te ajudar nesse processo que envolve autoconhecimento e olhar generoso para o outro.

 

⇒ Falamos sobre a nossa nova colunista na matéria sobre autoconhecimento


Você já ouviu falar sobre questionários de personalidade? O assessment de personalidade MBTI é uma metodologia 
baseada na teoria de Carl Gustav Jung, muito usada por empresas para identificar perfis, mas que também podem ser aplicado às relações e ao casamento.

Existe tipo certo de personalidade para eu me casar? Será que eu me atraí por ele ou ela por causa da sua “tipologia”? Essas perguntas são frequentes quando você conhece o assessment de personalidade MBTI.

Então venha conhecer melhor o que é o MBTI e ver as diferenças entre perfis extrovertidos e introvertidos e como os casais se comportam.

 

A história do MBTI


Vamos entender onde tudo começou.
 Katharine Briggs era uma mulher à frente de seu tempo. No início da década de 1920, após ler o livro de Carl Gustav Jung, Os Tipos Psicológicos, ela decidiu estruturar um questionário que pudesse mensurar as tipologias das pessoas, de forma simples e acessível.

Sua filha, Isabel Myers, auxiliou na construção do processo, que durou vinte anos. Desde então, o MBTI |(Myers Briggs Type Indicator) vem sendo utilizado por pessoas e organizações, como poderosa ferramenta de autoconhecimento e desenvolvimento. 

 

 

O MBTI como ferramenta de compreensão de si e do parceiro

 

Quando as pessoas conhecem o instrumento MBTI, é frequente que sejam feitas associações aos seus relacionamentos pessoais e profissionais. Invariavelmente, o casamento e as combinações amorosas estão entre as perguntas mais enfáticas, tais como: quais são os melhores tipos para casar com o outro? A tipologia explica o porquê eu me atraí pelo meu parceiro? A compreensão das diferentes preferências podem nos ajudar a atravessar as dificuldades no casamento? 

Neste artigo vamos explicar as diferenças entre Extroversão e Introversão, suas principais características e os impactos na relação conjugal. 

 

Extroversão e Introversão

 

Este par de preferências descreve formas alternativas de se orientar no mundo. Podemos preferir concentrar a nossa atenção no mundo externo e atividade das pessoas e conseguir energia através deles (Extroversão). Ou podemos preferir refletir em nosso mundo interior de pensamentos e sentimentos (Introversão).

 

Qual o seu perfil?

 

Extroversão (E) “Vamos conversar”

Introversão (I) “Eu preciso pensar sobre o assunto”

 

 

♦︎ (E) Focaliza suas energias e processa informações externamente.

♦︎ (I) Concentra suas energias e processa informações internamente.

 

 

♦︎ (E) Não gosta de trabalhar em algo por um período longo, principalmente se tiverem que fazer isso sozinhos.

♦︎ (I) Prefere lugares tranquilos para trabalhar e poder trabalhar em uma única coisa por um longo período.

 

 

♦︎ (E) Aprende e trabalha melhor quando pode compartilhar, discutir e processar informações com outras pessoas.

♦︎ (I) Aprende e trabalha melhor tendo tempo para se relacionar, compreender e processar informações sozinhos.

 

 

♦︎ (E)  Faz perguntas e pensa alto durante atividades ou enquanto analisam uma decisão.

♦︎ (I) Pensam antes de falar ou agir; podem não se sentir à vontade quando solicitados a realizar uma tarefa ou responder de imediato

 

 

♦︎ (E)  Compreendem melhor seu mundo agindo nele ou falando sobre ele

♦︎ (I) Minimizam suas forças externamente, o resultado de suas habilidades podem ser subestimadas com frequência.

 

 

 

 

Parceiros que preferem a Extroversão têm a tendência de gostar de socializar, de estar com muitas pessoas ao mesmo tempo, de ir a festas e debater.

 

os que preferem a Introversão têm a tendência de preferir mais momentos sozinhos, energizam-se através de seus próprios pensamentos e não sentem a necessidade de estar o tempo todo cercados de gente. 

 

Quando um casal é composto por dois extrovertidos, é muito provável que a vida social seja agitada, repleta de encontros e amigos. Já um casal composto por dois introvertidos vai viver uma vida mais íntima, reclusa e tranquila. 

 

Entanto, quando temos um casal com preferências distintas, é possível que alguns ajustes sejam necessários, para contemplar as duas formas de motivação. 

 

Algumas dicas: 

 

1- Percebam como vocês funcionam. Quais são as necessidades de socialização de cada um? Caso existam divergências, estabeleçam um plano que contemple as duas atitudes, intercalando momentos de intimidade com momentos de trocas com outras pessoas. 

 

2- As pessoas que preferem a introversão não gostam de interrupções, quando falam. Se for o caso de um dos dois, é necessário dar um tempo para ouvir a outra pessoa. 

 

3- Respeitem as próprias necessidades. Às vezes o parceiro precisa de momentos de solidão, mas também você pode mostrar o quanto um determinado evento é importante para si. 

 

4- Façam perguntas entre vocês para alinhar aquilo que é importante para cada um.

 

5- Não evite discussões importantes. Os introvertidos podem ser oprimidos pelos despejos emocionais dos extrovertidos e, muitas vezes, precisam de um pouco de tempo para processar antes de entrar em discussões delicadas. Quando um introvertido pede mais tempo para pensar em algo, você deve reintroduzir o tópico quando estiver pronto. 

 

Por fim…

 

Quando amamos uma pessoa com uma personalidade bem diferente da nossa, temos uma grande oportunidade de crescimento com a relação. Aproveitar essas divergências pode ser divertido e engrandecedor.
A consciência de como nós funcionamos e como os outros funcionam é a chave para experimentar uma vida plena de propósito. 

E você acha que tende para extroversão ou introversão? E o seu par?

 

 

 

Leia mais:

Lista de convidados: 7 passos do início da lista ao RSVP

Identidade visual no casamento: 7 perguntas para te ajudar

Deixar um comentário